sábado, 30 de outubro de 2010

2010 é o ano da Biodiversidade, onde ela está mais ameaçada?


 As Nações Unidas declararam 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade, uma celebração da vida na Terra,  o mundo é convidado a tomar medidas, para garantir esta variedade  de seres vivos no Planeta: a biodiversidade, então passou da hora de tomarmos medidas para recuperar e preservar as áreas mais críticas, ou seja, a degradação dos ecossistemas.
Segue os 10 pontos mais críticos em perda da Biodiversidade no planeta, nestas regiões pelo menos 90% da cobertura original já foi destruída.

biodiversidade

Caribe

Concentra diversos ecossistemas, como florestas tropicais e regiões semi-áridas
Extensão original – 229 549 km2
Extensão atual – 22 955 km2 (10% da cobertura original)
Espécies endêmicas ameaçadas – 209
Principal ameaça – Desmatamento para agricultura e inserção de espécies estrangeiras

Bacia do Mediterrâneo

Originalmente, apresentava uma flora quatro vezes maior do que a de todo o resto do continente europeu
Extensão original – 2 085 292 km2
Extensão atual – 98 009 km2 (4,7% da cobertura original)
Espécies endêmicas ameaçadas – 34
Principal ameaça – Ocupação humana

Mata AtlÂntica

A floresta tropical que cobre grande parte da costa brasileira atinge também o território de nossos vizinhos Uruguai, Paraguai e Argentina
Extensão original – 1 233 875 km2
Extensão atual – 99 944 km2 (8,1% da cobertura original)
Espécies endêmicas ameaçadas – 90
Principal ameaça – Ocupação humana

Chifre da África

Região árida, é o habitat da maioria das espécies de antílopes do mundo
Extensão original – 1 659 363 km2
Extensão atual – 82 968 km2 (5% da cobertura original)
Espécies endêmicas ameaçadas – 18
Principal ameaça – Desmatamento para pastagem e extração mineral

Montanhas do sudOeste chinês

Habitat original de uma das mais ricas faunas de clima temperado, a região tem altitudes que podem chegar a 7558 metros
Extensão original – 262 446 km2
Extensão atual – 20 996 km2 (8% da cobertura original)
Espécies endêmicas ameaçadas – 8
Principal ameaça – Caça, extração de madeira e queimadas para a criação de pastos

Florestas da costa leste africana

Concentra florestas secas e úmidas, que abrigam uma grande variedade de primatas
Extensão original – 291 250 km2
Extensão atual – 29 125 km2 (10% da cobertura original)
Espécies endêmicas ameaçadas – 12
Principal ameaça – Desmatamento para agricultura

Filipinas

As mais de 7 mil ilhas que compõem o arquipélago eram cobertas originalmente por extensas florestas tropicais
Extensão original – 297 179 km2
Extensão atual – 20 803 km2 (7% da cobertura original)
Espécies endêmicas ameaçadas – 151
Principal ameaça – Extração de madeira

Indochina

Coberta principalmente pelas florestas tropicais do Sudeste Asiático. Apesar da devastação, nos últimos 12 anos foram descobertas seis novas espécies de mamíferos
Extensão original – 2 373 057 km2
Extensão atual – 118 653 km2 (5% da cobertura original)
Espécies endêmicas ameaçadas – 78
Principal ameaça – Desmatamento para agricultura e extração madeira

Madagascar

A ilha africana tem grande diversidade de ecossistemas, como florestas tropicais e secas e um deserto
Extensão original – 600 461 km2
Extensão atual – 60 046 km2 (10% da cobertura original)
Espécies endêmicas ameaçadas – 169
Principal ameaça – Erosão gerada pelo desmatamento

Sundaland

A região, que cobre a Indonésia, a Malásia e outras ilhas do arquipélago do Sudeste Asiático, é dominada pelas florestas tropicais
Extensão original – 1 501 063 km2
Extensão atual – 100 571 km2 (6,7% da cobertura original)
Espécies endêmicas ameaçadas – 162
Principal ameaça – Extração de madeira

biodiversidade3 

Como podemos perceber a principal ameaça a biodiversidade é o desmatamento, seja ele proveniente da ocupação humana, agricultura, extração  madereira, queimada para criação de pastos, extração mineral.
Em geral quando falamos de biodiversidade, as pessoas pensam na espécies animais, mas as plantas são parte fundamental para isso,  quando  devastamos a cobertura vegetal, estamos influenciado diretamente no ciclo da água, elemento fundamental para a vida no planta, além do mais as plantas servem de alimento e abrigo para a fauna. Por esse motivo a destruição do hábitat é a principal causa da extinção dos animais.
Em destaque entre os 10 pontos mais críticos está a nossa Mata Atlântica,  nada de se espantar pois este ecossistema vem sendo devastado desde 1500, as áreas remanescentes deste bioma são vedadeiras sobreviventes. Ainda temos entre os mais devastados no Brasil o Cerrado e a Caatinga, fala-se muito em Amazônia, passou da hora de termos medidas mais eficazes para preservação e recuperação destes outros biomas.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Dicas para o ENEM- 2010

Na véspera da prova

1- Cada pessoa funciona de um jeito. Umas preferem revisar as matérias até o último minuto antes da prova. Outros preferem relaxar (as vezes até demais!). O mais indicado é relaxar uns dois ou três dias antes da prova, se você estudou MESMO. Saia pra namorar, jogue alguma coisa, vá ao cinema, homenageie alguém… faça coisas que você gosta!

2- Cuide do seu corpo. Imagine o seguinte: você estudou MUITO, MUITO MESMO e pra relaxar um pouco foi comer um X-Tudo no “Zé Lanche’s”. No dia seguinte o resultado do “relaxamento” foi uma boa e constante dor de barriga. Ninguém merece né? Então, dias antes da prova cuide bem do seu corpo. Alimente-se como está acostumado e nada de coisas muito gordurosas. Alimentos leves são essenciais. Lembre-se também de não usar drogas. Até mesmo bebida alcoolica. Deixe a bebida pra comemorar quando passar no vestibular ou se dar bem no Enem! ;)

3- Não desanime. Mesmo que venha aquela depressão maldita em cima de você, NÃO DESANIME! Você estudou e é capaz de mandar bem. Portanto, tente relaxar e esquecer esse stress. Ocupe-se com coisas que te divirta, vai fazer você se sentir melhor.

4- Planeje-se para que nada ocorra contra você. Se você não conhecer onde a prova será aplicada, vá até lá e calcule quanto tempo você precisa pra chegar lá, o melhor caminho etc. Ninguém precisa de um trânsito infeliz, ou se perder uma hora antes da prova. Lembre-se também de separar tudo que você vai precisar para a prova: documentos, lápis, caneta, borracha, régua etc. Imagina se você esquece desses itens?

No dia da prova

1-  Durma bem. Mas isso também não significa que você tem que dormir 15 horas. Durma de 8 a 10 horas, mas calcule pra acordar umas 5 horas antes da prova começar. Tome um café da manhã bacana, vá fazer um esporte leve (estudos mostram que isso ajuda a oxigenar o cérebro) e prepare-se para a prova.

2- Leia a prova com muita atenção. O Enem, pelo menos nos anos anteriores, era pura interpretação de texto. Identifique as pegadinhas e faça as questões mais fáceis e menos trabalhosas primeiro, como eu já falei acima.

3- Não perca tempo comendo durante a prova. Isso faz com que você se distraia e atrapalha o seu desempenho. Leve, no máximo, uma garrafa de água e uma barra de cereal.

4-  Assim que terminar as questões de uma matéria, passe as respostas para o gabarito. Isso faz com que você prepare o seu cérebro para a próxima bateria de questões.

5-  Reserve de 15 a 25 minutos para chutar as questões que você não sabe e passar as respostas para o gabarito.

6- Chute com inteligência. Nunca chute antes de acabar a prova, se você não sabe a questão pule-a e espere concluir todas que você sabe. Isso pode fazer com que você se lembre de algo que ajude a resolver. E, claro, ao chutar, elimine as alternativas que você tem certeza que estão erradas.

7- Normalmente, algumas provas e vestibulares tem os números de respostas muito próximos “a”, “b”, “c”, “d” e “e”. Por exemplo, numa prova de 100 questões: 20 respostas são “a”, 22 “b”, 18 “c”, 25 “d” e 15 “e”. Outra dica também é quando você está em dúvida entre a letra “a” e uma outra qualquer, é não chutar na “a”. Pois, normalmente, a letra “a” é onde os examinadores colocam as pegadinhas para que quando lerem, achrem que é a correta e já partir pra próxima questão.

dicas-redacao

Desertificação - Causas e Consequências

A desertificação é definida como um processo de destruição do potencial produtivo da terra por meio da pressão exercida pelas atividades humanas sobre ecossistemas frágeis, cuja capacidade de regeneração é baixa.

A ONU classifica de desertificação apenas os danos nas áreas de ocorrência localizadas nas regiões de clima semiárido, árido e subúmido seco. Esse processo provoca três tipos de impactos: ambientais, sociais e econômicos.



Página 3
Áreas em destaque: as mais claras já são desertos,as mais escuras apresentam maior risco de desertificação


O problema da desertificação passou a despertar o interesse da comunidade científica há 80 anos, contudo somente nos últimos dez anos passou a ser destacado como um sério problema ambiental, devido ao seu impacto social e econômico, uma vez que o processo ocorre de forma mais acentuada em áreas correspondentes aos países subdesenvolvidos. Além disso, a perda de solo agricultável vem aumentando significativamente, agravando ainda mais a situação das economias desses países.

É importante ressaltar, porém, que o processo de desertificação ganhou relevância a partir de um intenso processo de degradação do solo que ocorreu nos estados americanos de Oklahoma, Kansas, Novo México e Colorado. Tal processo levava essas áreas a uma perda progressiva das condições de agricultura e à desagregação do solo. Nessas áreas ocorre o clima semiárido, portanto os cientistas passam a classificar o problema como desertificação.

Semiárido

Desde então os cientistas vêm acompanhando esse fenômeno nas áreas onde ocorre o clima semiárido em todo o mundo, principalmente naquelas que apresentam secas periódicas, pois essas áreas se tornam suscetíveis ao processo de desertificação pelas próprias características físicas dos seus solos, que são rasos, ácidos ou salgados, com pouca vegetação.

Na década de 70, no Sahel, sul do Saara, na África, ocorreu uma grande seca, que aliada à fragilização do solo, tornou inviável a agricultura, matando de fome meio milhão de pessoas. Após essa catástrofe foi realizada em Nairóbi, no Quênia, a Conferência Internacional das Nações Unidas para o Combate à Desertificação.

Nessa conferência criou-se um programa de ação internacional visando implementar ações para combater o processo de desertificação no mundo. Foi elaborado o Plano de Ação de Combate à Desertificação - PACD, com objetivos de âmbito mundial. No entanto, já se realizaram avaliações do plano e concluiu-se que seus resultados foram bastante modestos. Muitos países não se comprometeram com o PACD e nada efetivamente fizeram para frear o processo em seus territórios.

Agenda 21

A situação agravou-se, principalmente, nos países subdesenvolvidos, e o debate continuou no meio científico e na ONU durante toda a década de 1980. Em 1992, na ECO-92, realizada no Rio de Janeiro, consolidou-se por fim um documento, a chamada Agenda 21, que, em seu capítulo 12, trata do fenômeno da desertificação como sendo "a degradação da terra nas regiões áridas, semiáridas e subúmidas secas, resultantes de vários fatores, entre eles, a variação climática e as atividades humanas". Por degradação da terra, entende-se a degradação dos solos, dos recursos hídricos, da vegetação e a redução da qualidade de vida das populações afetadas.

Causas da desertificação

De maneira geral, como causas da desertificação podem ser apontadas:

  • Sobreuso ou uso inapropriado da terra (monoculturas comerciais como a cana-de-açúcar, soja, trigo, no Brasil);

  • Desmatamento;

  • Utilização de técnicas agropecuárias impróprias;

  • Exploração descontrolada de ecossistemas frágeis;

  • Queimadas;

  • Mineração;

  • Uso excessivo de agrotóxicos;

  • Poluição;

  • Secas;

    Além dos fatores citados, causados pelo homem, há o fenômeno climático chamado de El Niño, que colabora para o agravamento do processo de desertificação. Sobrecarrega áreas semiáridas com longas secas e posteriormente causa inundações com chuvas intensas. Esse fator, porém, é controverso, pois muitos cientistas acreditam que a desertificação acaba por interferir nas mudanças climáticas, como o regime de chuvas.

    Atualmente vários países apresentam sinais de desertificação em seus territórios como o EUA, o sul do continente africano, Austrália e Brasil, por exemplo.

    Consequências da desertificação


  • Redução das áreas cultivadas;

  • Diminuição da produtividade agropecuária das áreas afetadas;

  • Redução dos recursos hídricos;

  • Aumento da poluição hídrica;

  • Aumento das cheias;

  • Aumento de areia nas áreas afetadas;

  • Destruição da fauna e da flora;

  • Perda de biodiversidade

    Essas situações relacionam-se à questão ambiental, contudo devemos lembrar que existem também os impactos de ordem social e econômica das áreas afetadas, como:

  • Migração descontrolada para as áreas urbanas;

  • Desagregação familiar devido ao êxodo;

  • Crescimento da pobreza;

  • Aumento das doenças devido à falta de água potável e subnutrição;

  • Perda do potencial agrícola;

  • Perdas de receita econômica.

    Contudo, é preciso ressaltar que o processo de desertificação pode ser controlado, evitado, e até mesmo revertido, desde que haja o envolvimento dos governos, oferecendo auxílio técnico para o manejo dessas áreas e incentivando a preservação ambiental, de maneira que não ocorra uma sobrecarga de problemas nas áreas de risco. Nos locais onde o processo de desertificação já se instalou são necessários investimentos para sua contenção; porém, o custo é da ordem de bilhões de dólares.

  • quinta-feira, 28 de outubro de 2010

    Biodiversidade Brasileira

    Riqueza de espécies

    O Brasil tem uma área de 8,5 milhões km², ocupando quase a metade da América do Sul. Essa área possui várias zonas climáticas que incluem o trópico úmido no norte, o semi-árido no nordeste e áreas temperadas no sul. As diferenças climáticas contribuem para as diferenças ecológicas formando zonas biogeográficas distintas chamadas biomas. A maior floresta tropical úmida (Floresta Amazônica) e a maior planínice inundável (o Pantanal) do mundo se encontram nesses biomas, além do Cerrado (savanas e bosques), da Caatinga (florestas semi-áridas) e da Mata Atlântica (floresta tropical pluvial). O Brasil possui uma costa marinha de 3,5 milhões km² com uma variedade de ecossistemas que incluem recifes de corais, dunas, manguezais, lagoas, estuários e pântanos.

    A variedade de biomas reflete a riqueza da flora e fauna brasileiras, tornando-as as mais diversas do mundo. Muitas das espécies brasileiras são exclusivas no mundo (endêmicas). O Brasil é o país com a maior biodiversidade do mundo, contando com um número estimado de mais de 20% do número total de espécies do planeta. Diversas espécies de plantas de importância econômica mundial são originárias do Brasil, destacando-se dentre elas o abacaxi, o amendoim, a castanha do Brasil (também conhecida como castanha do Pará), a mandioca, o caju e a carnaúba.
    O Brasil abriga o maior número de primatas com 55 espécies, o que corresponde a 24% do total mundial; de anfíbios com 516 espécies; e de animais vertebrados com 3.010 espécies de vertebrados vulneráveis, ou em perigo de extinção. O país conta também com a mais diversa flora do mundo, número superior a 55 mil espécies descritas, o que corresponde a 22% do total mundial. Possui por exemplo, a maior riqueza de espécies de palmeiras (390 espécies) e de orquídeas (2.300 espécies). Possui também 3.000 espécies de peixes de água doce totalizando três vezes mais que qualquer outro país do mundo.


    O Brasil é agraciado não só com a maior riqueza de espécies mas, também, com a mais alta taxa de endemismo. Uma em cada onze espécies de mamíferos existentes no mundo é encontrada no Brasil (522 espécies), juntamente com uma em cada seis espécies de aves (1.622), uma em cada quinze espécies de répteis (468), e uma em cada oito espécies de anfíbios (516). Muitas dessas são exclusivas para o Brasil, com 68 espécies endêmicas de mamíferos, 191 espécies endêmicas de aves, 172 espécies endêmicas de répteis e 294 espécies endêmicas de anfíbios. Esta riqueza de espécies corresponde a, pelo menos, 10% dos anfíbios e mamíferos e 17% das aves descritas em todo o planeta.


    A composição total da biodiversidade brasileira não é conhecida e talvez nunca venha a ser, tal a sua magnitude e complexidade. Sabendo-se, entretanto, que para a maioria dos seres vivos o número de espécies no território nacional, na plataforma continental e nas águas jurisdicionais brasileiras é elevado, é fácil inferir que o número de espécies, tanto terrestres quanto marinhas, ainda não identificadas, pode alcançar valores da ordem de dezena de milhões no Brasil.
    Apesar da riqueza de espécies nativas, a maior parte de nossas atividades econômicas está baseada em espécies exóticas. Nossa agricultura está baseada na cana-de-açúcar proveniente da Nova Guiné, no café da Etiópia, no arroz das Filipinas, na soja e na laranja da China, no cacau do México e no trigo da Ásia Menor. A silvicultura nacional depende de eucaliptos da Austrália e de pinheiros da América Central. A pecuária depende de bovinos da Índia, de eqüinos da Ásia Central e de capins Africanos. A piscicultura depende de carpas da China e de tilápias da África Oriental, e a apicultura está baseada em variedades da abelha-europa provenientes da Europa e da África Tropical.

    É fundamental que o país intensifique a implementação de programas de pesquisa na busca de um melhor aproveitamento da biodiversidade brasileira e continue a ter acesso aos recursos genéticos exóticos, também essenciais para o melhoramento da agricultura, pecuária, silvicultura e piscicultura nacionais.
     
    Essa necessidade está ligada à importância que a biodiversidade ostenta na economia do país. Somente o setor da Agroindústria responde por cerca de 40% do PIB brasileiro , calculado em US$ 866 bilhões no ano de 1997), o setor florestal por 4% do PIB e o setor pesqueiro por 1% do PIB. Produtos da biodiversidade respondem por 31% das exportações brasileiras, especialmente destacando café, soja e laranja. As atividades de extrativismo florestal e pesqueiro empregam mais de três milhões de pessoas. A biomassa vegetal, contando o álcool da cana-de-açúcar e a lenha e o carvão derivados de florestas nativas e plantadas respondem por 30% da matriz energética nacional e em determinadas regiões, como o Nordeste, atendem a mais da metade da demanda energética industrial e residencial. Grande parte da população brasileira utiliza-se de plantas medicinais na solução de problemas corriqueiros de saúde. A diversidade biológica constitui, portanto, uma das características de recursos ambientais, fornecendo produtos para exploração e consumo e prestando serviços de uso indireto. É importante, portanto, a disseminação da prática da valoração da diversidade biológica. A redução da diversidade biológica compromete a sustentabilidade do meio ambiente e a disponibilidade permanente dos recursos ambientais.

    quarta-feira, 27 de outubro de 2010

    Hidrografia Brasileira


    Bacia Hidrografica é a área ocupada por um rio principal e todos os seus tributários, cujos limites constituem as vertentes, que por sua vez limitam outras bacias. No Brasil, a predominância do clima úmido propicia uma rede hidrográfica numerosa e formada por rios com grande volume de água. As bacias hidrográficas brasileiras são formadas a partir de três grandes divisores:

    ·   Planalto Brasileiro

    ·   Planalto das Guianas

    ·   Cordilheira dos Andes

    O Brasil é dotado de uma vasta e densa rede hidrográfica, sendo que muitos de seus rios destacam-se pela extensão, largura e profundidade. Em decorrência da natureza do relevo, predominam os rios de planalto que apresentam em seu leito rupturas de declive, vales encaixados, entre outras características, que lhes conferem um alto potencial para a geração de energia elétrica. Quanto à navegabilidade, esses rios, dado o seu perfil não regularizado, ficam um tanto prejudicados. Dentre os grandes rios nacionais, apenas o Amazonas e o Paraguai são predominantemente de planície e largamente utilizados para a navegação. Os rios São Francisco e Paraná são os principais rios de planalto. De maneira geral, os rios têm origem em regiões não muito elevadas, exceto o rio Amazonas e alguns de seus afluentes que nascem na cordilheira andina.

    Ressaltam-se oito grandes bacias hidrográficas existentes no território brasileiro; a do Rio Amazonas, do Rio Tocantins, do Atlântico Sul, trechos Norte e Nordeste, do Rio São Francisco, as do Atlântico Sul, trecho leste, a do Rio Paraná, a do Rio Paraguai e as do Atlântico Sul, trecho Sudeste.

    Bacias Hidrográficas Brasileiras

    Bacia Amazônica
     

    É a maior bacia hidrográfica do mundo, com 7.050.000 km², sendo que 3.904.392,8 km² estão em terras brasileiras. Seu rio principal (Amazonas), nasce no Perú com o nome de Vilcanota e recebe posteriormente os nomes de Ucaiali, Urubamba e Marañon. Quando entra no Brasil, passa-se a chamar Solimões e, após o encontro com o Rio Negro, perto de Manaus,   recebe o nome de Rio Amazonas. O Rio Amazonas percorre 6.280 km, sendo o segundo maior do planeta em extensão (após o Rio Nilo, no Egito, com 6.670 km) é o maior do mundo em vazão de água. Sua largura média é de 5 quilômetros e possui 7 mil afluentes, além de diversos cursos de água menores e canais fluviais criados pelos processos de cheia e vazante.

    A Bacia Amazônica está localizada em uma região de planície e tem cerca de 23 mil km de rios navegáveis, que possibilitam o desenvolvimento do transporte hidroviário. A navegação é importante nos grandes afluentes do Rio Amazonas, como o Madeira, o Xingú, o Tapajós, o Negro, o Trombetas e o Jari. Em 1997 é inaugurada a na bacia, a Hidrovia do Rio Madeira, que opera de Porto Velho até Itacoatiara, no Amazonas. Possui 1.056km de extensão e por lá é feito o escoamento da maior parte da produção de grãos e minérios da região.

     Bacia do São Francisco

    Possui uma área de 645.067,2 km² de extensão e o seu principal rio é o São Francisco, com 3.160 km de extensão. É o maior rio totalmente brasileiro e percorre 5 estados (Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe). Além disso é fundamental na economia da região que percorre, pois permite a atividade agrícola em suas margens e oferece condições para a irrigação artificial de áreas mais distantes, muitas delas semi-áridas. Os principais afluentes perenes são os rios Cariranha, Pardo, Grande e das Velhas. Seu maior trecho navegável se encontra entre as cidades de Pirapora (MG) e Juazeiro (BA) com 1.371km de extensão. O potencial hidrelétrico do rio é aproveitado principalmente pelas grandes usinas de Xingó e Paulo Afonso.

    Bacia do Tocantins – Araguaia

    É a maior bacia localizada inteiramente em território brasileiro, com 813.674,1 km². Seus principais rios são o Tocantins e o Araguaia. O rio Tocantins, com 2.640 km de extensão, nasce em Goiás e desemboca na foz do Amazonas. Possui 2.200 km navegáveis (Entre as cidades de Peixe-GO e Belém-PA) e parte de seu potencial hidrelétrico é aproveitado pela usina de Tucuruí, no Pará - a 2ª maior do país e uma das cinco maiores do mundo. O Rio Araguaia nasce em Mato Grosso, na fronteira com Goiás e une-se ao Tocantins no extremo norte do estado de Tocantins. A construção da Hidrovia Araguaia-Tocantins, tem sido questionada pelas ONGs (Organizações Não-Governamentais) em razão dos impactos ambientais que ela pode provocar, cortando dez (10) áreas de preservação ambiental e 35 (trinta e cinco) áreas indígenas, afetando uma população de 10 mil índios.00 km navegáveis (Entre as cidades de Peixe-GO e Belém-PA) e parte de seu potencial hidrelétrico é aproveitado pela usina de Tucuruí, no Pará - a 2ª maior do país e uma das cinco maiores do mundo. O Rio Araguaia nasce em Goiás, próximo a cidade de Mineiros e ao Parque Nacional das Emas e une-se ao Tocantins no extremo norte do estado de Tocantins. A construção da Hidrovia Araguaia-Tocantins, tem sido questionada pelas ONGs (Organizações Não-Governamentais) em razão dos impactos ambientais que ela pode provocar, cortando dez (10) áreas de preservação ambiental e 35 (trinta e cinco) áreas indígenas, afetando uma população de 10 mil índios. 

    Bacia do Atlântico Sul 

    É composta de várias pequenas e médias bacias costeiras, formadas por rios que desaguam no Oceano Atlântico. O trecho norte-nordeste engloba rios localizados no norte da bacia amazônica e aqueles situados entre a foz do rio Tocantins e a do rio São Francisco. Entre eles, está o Rio Parnaíba, na divisa entre o Piauí e o Maranhão, que forma o único delta oceânico das Américas. Entre a foz do rio São Francisco e a divisa do Rio de Janeiro e São Paulo estão as bacias do trecho leste, no qual se destaca o rio Paraíba do Sul. A partir dessa área começam as bacias do sudeste-sul. Seu rio mais importante é o Itajaí, no estado de Santa Catarina. 

    Bacia do Atlântico Sul - trechos sudeste e sul

     A bacia do Atlântico Sul, nos seus trechos sudeste e sul, é composta por rios da importância do Jacuí, Itajaí e Ribeira do Iguape, entre outros. Os mesmos possuem importância regional, pela participação em atividades como transporte hidroviário, abastecimento d'água e geração de energia elétrica.

    Bacia do Atlântico Sul - trechos norte e nordeste

    Vários rios de grande porte e significado regional podem ser citados como componentes dessa bacia, a saber: rio Acaraú, Jaguaribe, Piranhas, Potengi, Capibaribe, Una, Pajeú, Turiaçu, Pindaré, Grajaú, Itapecuru, Mearim e Parnaíba.

    Em especial, o rio Parnaíba é o formador da fronteira dos estados do Piauí e Maranhão, por seus 970 km de extensão, desde suas nascentes na serra da Tabatinga até o oceano Atlântico, além de representar uma importante hidrovia para o transporte dos produtos agrícolas da região.

    Bacia do Atlântico Sul - trecho leste

    Da mesma forma que no seu trecho norte e nordeste, a bacia do Atlântico Sul no seu trecho leste possui diversos cursos d'água de grande porte e importância regional. Podem ser citados, entre outros, os rios Pardo, Jequitinhonha, Paraíba do Sul, Vaza-Barris, Itapicuru, das Contas e Paraguaçu.

    Bacias do rio Paraná Paraguai e Uruguai

    A bacia platina, ou do rio da Prata, é constituída pelas sub-bacias dos rios Paraná, Paraguai e Uruguai, drenando áreas do Brasil, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai.

    O rio Paraná possui cerca de 4.900 km de extensão, sendo o segundo em comprimento da América do Sul. É formado pela junção dos rios Grande e Paranaíba. Possui como principais tributários os rios Paraguai, Tietê, Paranapanema e Iguaçu. Representa trecho da fronteira entre Brasil e Paraguai, onde foi implantado o aproveitamento hidrelétrico binacional de Itaipu, com 12.700 MW, maior usina hidrelétrica em operação do mundo. Posteriormente, faz fronteira entre o Paraguai e a Argentina. Em função das suas diversas quedas, o rio Paraná somente possui navegação de porte até a cidade argentina de Rosário.

    O rio Paraguai, por sua vez, possui um comprimento total de 2.550 km, ao longo dos territórios brasileiro e paraguaio e tem como principais afluentes os rios Miranda, Taquari, Apa e São Lourenço. Nasce próximo à cidade de Diamantino, no estado de Mato Grosso, e drena áreas de importância como o Pantanal mato-grossense. No seu trecho de jusante banha a cidade de Assunción, capital do Paraguai, e forma a fronteira entre este país e a Argentina, até desembocar no rio Paraná, ao norte da cidade de Corrientes.

    O rio Uruguai, por fim, possui uma extensão da ordem de 1.600 km, drenando uma área em torno de 307.000 km2. Possui dois principais formadores, os rios Pelotas e Canoas, nascendo a cerca de 65 km a oeste da costa do Atlântico. Fazem parte da sua bacia os rios Peixe, Chapecó, Peperiguaçu, Ibicuí, Turvo, Ijuí e Piratini.

    O rio Uruguai forma a fronteira entre a Argentina e Brasil e, mais ao sul, a fronteira entre Argentina e Uruguai, sendo navegável desde sua foz até a cidade de Salto, cerca de 305 km a montante.



    segunda-feira, 25 de outubro de 2010

    O racismo e a xenofobia na Europa

    A Europa, tal como os restantes continentes, vive sob o impacte da globalização, de uma maior mobilidade internacional e do incremento dos fluxos migratórios. O aumento da intolerância política, religiosa e étnica bem como o desencadear de vários conflitos armados, dentro e fora do espaço europeu, provocaram a saída de inúmeros contingentes populacionais das suas terras, refugiados nem sempre bem acolhidos em ambientes que lhes são pouco familiares. Carências económicas, a par de problemas sociais vividos pelos cidadãos de determinado Estado, têm contribuído para o surgimento de tensões evidenciadas sob formas de racismo "flagrante" e "subtil" contra determinados grupos, entre os quais comunidades migrantes e minorias étnicas ou religiosas (por exemplo, os ciganos, os judeus, os muçulmanos). Tais ressentimentos têm sido agravados pelo fomento de doutrinas xenófobas por parte de partidos políticos, designadamente os de extrema-direita, que não só deles se aproveitam para justificar períodos de maior vulnerabilidade económico-social no seu próprio país, como ainda, através dos nacionalismos exacerbados patentes nos seus discursos, adicionam às ideologias já enraizadas novas ondas de intolerância. Embora tendo presentes os maus exemplos do passado (Holocausto, apartheid, etc.), a verdade é que sentimentos desta natureza persistem na Europa, em prejuízo de indivíduos ou colectivos segregados, independentemente do seu nível económico e da partilha ou não dos valores, princípios e matrizes fundamentais da sociedade de acolhimento. Em todo o caso, os níveis e expressões de racismo variam muito de país para país, espelhando não só diferentes posturas e modos de lidar com a presença de imigrantes, minorias étnica e estrangeiros, como também políticas mais ou menos consistentes de combate à discriminação (saliente-se a atenção depositada pela Holanda e Reino Unido a estas questões).


    «A Europa é uma sociedade multicultural e multinacional que se enriquece com esta variedade. No entanto, a constante presença do racismo na nossa sociedade não pode ser ignorada. O racismo toca toda a gente. Degrada as nossas comunidades e gera insegurança e medo.
    Pádraig Flynn, Comissário Europeu

    domingo, 24 de outubro de 2010

    MIGRAÇÕES NO BRASIL

    No Brasil, os movimentos migratórios sempre foram muito intensos, as primeiras migrações podem ser consideradas as feitas pelos europeus, e negros africanos que foram forçados a virem para cá. De lá para os dias de hoje tivemos muitas migrações de importância fundamental para o país, como por exemplo a dos migrantes italianos no século XlX, assim como de espanhóis, eslavos, japoneses, árabes, portugueses, dentre outros.

    O fundamental nesse processo, além da contribuição dada ao país por esses cidadãos, é o fato do enriquecimento cultural, com a grande variação étnico-cultural com a qual o país passou a conviver. Mas, em alguns casos, formaram-se os chamados "quistos culturais", ou seja, comunidades que preservam seus hábitos costumes e língua, sem se integrarem de forma plena a cultura nacional.

    Até meados do século XX, o Brasil era um país típico de imigração, a partir da 2ª Guerra Mundial, passa a haver uma inversão nos fluxos, de imigratório o país torna-se de emigração. Hoje são milhões os brasileiros que vivem fora, principalmente em países como os EUA, Japão, Paraguai, etc. Os principais motivos que contribuem com isso são de ordem sócio econômica, ou seja, a imensa maioria dos brasileiros que daqui saem vão em busca de melhores condições de vida, emprego, salários, etc.; acontece que na maioria das vezes não são bem recebidos onde chegam, e passam a ocupar em geral os postos de trabalho relegados pelas populações dos países para onde imigraram.

    As migrações internas também sempre foram muito intensas, como por exemplo a de habitantes do Nordeste que migraram em massa para o Centro-sul do Brasil com o declínio da cana de açúcar e o desenvolvimento da mineração, ou a de nordestinos que migraram para a Amazônia no chamado "Boom da borracha" no final do século XlX.

    Com a industrialização nas décadas de 60 e 70, passamos a viver de forma mais intensa migrações internas no território nacional, como a de nordestinos em direção das grandes metrópoles brasileiras, Rio e S. Paulo, e o intenso êxodo rural, que fez o Brasil se tornar um país predominantemente urbano em um espaço de menos de 30 anos.

    Na década de 70 os fluxos migratórios se direcionaram para a Amazônia, fruto da política de ocupação do território nacional imposta pelos militares, chamada "integrar para não entregar".

    Atualmente, as antigas metrópoles industriais não são mais os locais preferidos por migrantes, por conta do processo de desconcentração industrial, novas áreas do país passam a ser pólo de atração desses cidadãos, como o interior de S. Paulo, do Paraná, etc. As migrações continuam a ser muito comuns no Brasil, tanto do campo para a cidade, assim como as urbano-urbano.

    São comuns também nas grandes metrópoles brasileiras, as migrações pendulares, assim como a migração sazonal em regiões como o Nordeste.

    MIGRAÇÕES NO ESPAÇO MUNDIAL

    Desde o surgimento do homem a milhares de anos no continente africano, a busca por melhores condições de vida sempre foi uma das metas a serem alcançadas. Por conta disso, as primeiras sociedades eram nômades, pois migravam sempre em busca daquilo que havia se esgotado por onde já haviam passado, a sedentarização do homem só vai se dar com a chamada Revolução do Neolítico, quando o homem passa domesticar as plantas e animais, e a partir daí desenvolver a agricultura e a pecuária.

    A mobilidade espacial das populações humanas, ou seja, as migrações, são motivadas por vários fatores, que podem ser: políticos, religiosos, naturais, culturais, mas sem sombra de dúvidas o fator que historicamente tem sido predominante é o econômico.

    Hoje na chamada era da globalização mais do que nunca as migrações se dão por conta do fator econômico, é a busca por emprego, por melhores salários, por melhores condições de vida, etc. Com isso, verificamos uma ampliação dos fluxos de pessoas em especial, se dirigindo em direção dos países mais desenvolvidos, são principalmente pessoas oriundas de países subdesenvolvidos, o que tem gerado graves problemas políticos que ressurgem no mundo atual, como por exemplo a volta do nazismo na Europa, na figura dos chamados neonazistas, ou as barreiras impostas pela União européia e os EUA para imigrantes.

    TIPOS DE MIGRAÇÃO

    Entende-se por migração, qualquer mobilidade espacial feita por sociedades humanas.

    A migração é um movimento que de um lado se configura em emigração, quando o movimento é de saída de um determinado país; e imigração, quando o movimento é de entrada em um determinado país.

    Com isso temos países que são considerados países de emigração (aqueles onde predomina a saída de pessoas), e países de imigração (aqueles onde predomina a entrada de pessoas).

    As migrações podem ser de vários tipos.

    Se considerarmos o espaço de deslocamento temos:

    a) Migração internacional ou externa: aquela que se realiza de um país para o outro.

    b) Migração nacional ou interna: aquela que se realiza dentro do mesmo país. Essa se subdivide em :

    b.1) Migração inter-regional: aquela que se realiza de uma região para outra.

    b.2) Migração intra-regional: aquela que se realiza dentro da mesmo região.

    Se levarmos em consideração o tempo de permanência do migrante temos:

    a) Migração definitiva: quando a migração se dá sem que o migrante saia mais do local para onde foi, ou que não voltei mais para o local de onde saiu.

    b) Migração temporária: quando a migração se dá por um tempo que pode ser determinado ou indeterminado.

    Se considerarmos a forma como se deu a migração (causas) temos:

    a) Migração espontânea: quando ela se dá por vontade própria do migrante.

    b) Migração forçada: quando ela se dá por uma vontade externa ao interesse do migrante.

    c) Migração planejada: quando ela se dá de forma planejada afim de cumprir um determinado objetivo.

    ALGUNS TIPOS DE MIGRAÇÕES INTERNAS

    Dentre as migrações internas temos os seguintes movimentos:

    a) Êxodo rural: tipo de migração que se dá com a transferência de populações rurais para o espaço urbano. Esse tipo de migração em geral tende a ser definitivo. As principais causas dele são: a industrialização, a expansão do setor terciário e a mecanização da agricultura.

    O êxodo rural está diretamente ligado ao processo de Urbanização.

    b) Êxodo urbano: tipo de migração que se dá com a transferência de populações urbanas para o espaço rural. Hoje em dia é um tipo de migração muito incomum.

    c) Migração urbano-urbano: tipo de migração, que se dá com a transferência de populações de uma cidade para outra. Tipo de migração muito comum nos dias atuais.

    d) Migração sazonal: tipo de migração que se caracteriza por estar ligada as estações do ano. É uma migração temporária onde o migrante sai de um determinado local em um determinado período do ano, e posteriormente volta, em outro período do ano, é a chamada transumância. É o que acontece por exemplo com os sertanejos do Nordeste brasileiro.

    e) Migração diária ou pendular: tipo de migração característico de grandes cidades, no qual milhões de trabalhadores saem todas as manhãs de sua casa em direção do seu trabalho, e retornam no final do dia. Os momentos de maior aglomeração de pessoas são chamados de rush Isso se dá em virtude da periferização dos trabalhadores que muitas vezes moram a vários quilômetros de distância de seu trabalho, em alguns casos até mesmo em outras cidades que passam a ser chamadas de cidades dormitório. Nesse tipo de migração está incluído o commuting, movimentação diária de pessoas que moram em um país e trabalham ou vão buscar serviços em outro, os chamados transfronteiriços ou commuters.

    f) Nomadismo: tipo de migração, que se caracteriza pelo deslocamento constante de populações em busca de alimentos, abrigo, etc. Esse tipo de migração é típico de sociedades primitivas e por conta disso se encontra em extinção.

    CONSEQÜÊNCIAS DAS MIGRAÇÕES

    Várias são as conseqüências das migrações, segundo COELHO e TERRA (2001), podemos destacar as seguintes:

    a) Contribuição e influência no processo de ocupação e povoamento, na distribuição geográfica da população e, é claro, no próprio desenvolvimento econômico;

    b) Contribuição no processo de miscigenação étnica e na ampliação e difusão cultural entre povos;

    c) Quando a emigração significa perda de mão de obra qualificada (fuga de cérebros), os prejuízos para o país emigratório são enormes, ao passo que para o país imigratório as vantagens são muito grandes.

    d) Podem acarretar mudanças de costumes, concorrência à mão de obra local e problemas políticos ideológicos, raciais, etc.

    e) Vantagens econômicas para os países que não tem condições de atender as necessidades básicas de suas populações.

    Causas ou motivos das migrações


    Econômicas - provavelmente deverá ser a causa fundamental que leva as pessoas a migrarem, quase sempre resultante da diferença de desenvolvimento socioeconómico entre países ou entre regiões. Quase sempre, nestes casos, os indivíduos migram porque querem assegurar noutros locais um melhor nível de vida, onde os salários são mais elevados, as condições de trabalho menos pesadas, onde a assistência social é mais eficaz, enfim, vão para onde pensam ir encontrar uma vida mais agradável.......o que, diga-se de passagem, nem sempre acontece. Por exemplo, ir trabalhar para a Alemanha, pois dum modo geral, os salários lá, são mais elevados.

    Naturais - de um modo geral, este motivo de migrações, leva a que sejam migrações forçadas, pois devido a causas naturais (cheias, terramotos, secas, vulcões...) a vida e a sobrevivência das pessoas fica em risco, pelo que se vêem forçadas a abandonar os seus locais de residência.

    Turísticas - são as que se efectuam normalmente, pela maioria das pessoas, em determinadas épocas (ou estações) do ano, que por isso mesmo, também são uma forma de migrações sazonais. São aquelas deslocações que se efetuam no período das férias de Verão, Natal, Páscoa, etc...

    Laborais - São todas as deslocações que se efetuam por motivos profissionais. Podem também ser sazonais e dum modo geral, são temporárias. Um exemplo muito fácil de compreenderem, é o dos docentes, que na sua maioria, são colocados (muitas vezes sem grande vontade) quase todos os anos lectivos em escolas diferentes e por vezes, longe das suas residências.

    Políticas - São dum modo geral migrações externas, que devido a mudanças nos governos de países, alguns habitantes se vêem forçados (mas nem sempre) a saírem desse país. Por exemplo, quando se deu a independência de alguns países africanos, muitos dos seus habitantes tiveram de sair deles e ir para outros países; aconteceu com os portugueses em Angola, Moçambique, Guiné, mas também com franceses em Marrocos, Argélia, Indochina, ou com ingleses na ex-Rodésia, etc...

    Étnicas - esta palavra, muitas vezes confundida com racismo, tem mais a ver com diferenças entre culturas e povos, podendo ou não ser da mesma raça. Por exemplo, na II Guerra Mundial, havia muitos judeus na Alemanha e, para Hitler, eles constituíam um povo inferior, pelo que tentou exterminá-los, contudo, eles eram ambos (alemães e judeus) de raça branca. Também recentemente, na ex-Jugoslávia, muitos povos se viram forçados a emigra apenas por pertencerem a outra cultura.

    Religiosos - há muitas migrações, muitas delas externas, cujo único objectivo é a deslocação a um determinado centro de fé, de acordo com a religião de cada indivíduo. Como exemplo podem-se citar as peregrinações a Fátima, Santiago de Compostela (Espanha), Lourdes (França), Meca (Arábia), entre muitos outros espalhados pelo mundo. Aliás, a titulo de curiosidade, a religião muçulmana obriga cada um dos seus crentes a deslocarem-se pelo menos uma vez na vida, a Meca, ao túmulo do profeta.

    Culturais - poucos consideram este motivo uma causa de migração, contudo, há muitas pessoas que se deslocam (normalmente temporariamente) para outros locais, apenas com uma finalidade cultural, ou de enriquecimento de conhecimentos. Por exemplo, ir a outro país tirar um curso de pós graduação, ou um doutoramento.... ter de sair do local de residência porque a universidade/faculdade onde um estudante conseguiu entrar se situa muito longe, etc...

    Tratamento de Saúde - Milhares de pessoas no mundo inteiro deslocam-se entre fronteiras, visando conseguir cura para alguma enfermidade.

    Turísmo - è nos dias atuais o mais importante dos movimentos migratórios desnvolvido pela população mundial, Embora muitos especialistas não gostem de destacar estes deslocamentos temporários como tal.

    Conflitos atuais

    TIPOS DE CONFLITOS, ASCENSÃO DO NACIONALISMO, FUNDAMENTALISMO RELIGIOSO, FORÇAS INTERNACIONAIS

     A multiplicação dos conflitos internos é uma característica marcante da última década do século XX. A desintegração de Estados socialistas – principalmente a União Soviética (URSS) e a Iugoslávia – faz renascer rivalidades étnicas e religiosas que haviam sido congeladas por regimes totalitários. Confrontos herdados da Guerra Fria, como a guerra civil em Angola, também resistem à chegada do ano 2000. Ao mesmo tempo, avançam as negociações de paz em algumas regiões, com destaque para o Oriente Médio, a Irlanda do Norte e Timor Leste. Aumenta ainda a capacidade de intervenção militar dos Estados Unidos (EUA) nas zonas de conflito, por causa da ausência de rivais geopolíticos de porte. A Federação Russa, que até então disputava a hegemonia mundial com os norte-americanos, atravessa os anos 90 mergulhada em uma grave crise interna. 

     Os conflitos são classificados em quatro categorias, de acordo com as forças em litígio. A primeira envolve dois ou mais Estados. As demais tratam de disputas internas: guerra civil ou guerrilha para mudança de regime; separatista decorrente de ocupação estrangeira; e separatista no interior de um Estado. Os conflitos podem também ter forte conotação étnica ou religiosa. A guerra civil no Afeganistão, por exemplo, opõe fundamentalistas muçulmanos da milícia Taliban (patane) a grupos islâmicos de outras etnias (tadjique, uzbeque e hazará). A origem religiosa distinta é fonte de tensão no Sri Lanka, onde tâmeis (hinduístas) e cingaleses (budistas) estão em luta desde os anos 80. 

     TIPOS DE CONFLITOS – Ao todo, 27 confrontos armados acontecem no mundo, segundo o Anuário Sipri, publicado em 2009 pelo Instituto Internacional de Pesquisas sobre a Paz, de Estocolmo, na Suécia. A grande maioria é interna, e as guerras entre Estados praticamente inexistem. O fato mais importante do ano no cenário internacional é a campanha de bombardeios da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) contra a Iugoslávia, liderada pelos EUA. Esse é o primeiro ataque da Otan a uma nação soberana em seus 50 anos de história. 

     Guerra entre Estados – Embate entre exércitos nacionais regulares. Até o final de 1999, o mais sério deles é a disputa entre Índia e Paquistão, duas potências nucleares, pela posse da região da Caxemira. Vários países do centro e do sul da África também estão envolvidos em um confronto que se desenrola no território da República Democrática do Congo (RDC) e tem como epicentro a rivalidade ancestral entre as etnias hutu e tutsi. 

     Guerra civil ou guerrilha – Conflito em que movimentos armados ambicionam derrubar o governo de um determinado país. Atualmente, um dos mais expressivos são as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que controlam uma área desmilitarizada de 42 mil quilômetros quadrados na nação. Na Argélia, as guerrilhas fundamentalistas Frente Islâmica de Salvação (FIS) e Grupo Islâmico Armado (GIA) reivindicam a criação de um Estado teocrático. 

     Separatismo decorrente de ocupação estrangeira – Confronto provocado por uma invasão militar externa. Nessa categoria, merece destaque a reivindicação dos palestinos pelo reconhecimento de um Estado independente nos territórios ocupados por Israel em 1967 – Faixa de Gaza e Cisjordânia. Outro exemplo é o conflito separatista em Timor Leste, ex-colônia portuguesa de maioria católica anexada pela Indonésia, em 1975. 

     Separatismo no interior de um Estado – Choque entre forças oficiais e movimentos internos – em geral, ligados a minorias étnicas ou religiosas – que têm como objetivo a formação de Estados independentes. É o caso do Exército Republicano Irlandês (IRA), partidário da autonomia dos católicos, grupo minoritário na Irlanda do Norte, uma província do Reino Unido. 

     ASCENSÃO DO NACIONALISMO – As tensões mais emblemáticas do período pós-Guerra Fria ocorrem em países do extinto bloco comunista, no Leste Europeu. A falência do modelo de partido único e a liberalização do regime estimulam um desordenado processo de afirmação das particularidades nacionais. Dezenas de movimentos voltados para a recuperação de tradições históricas, culturais, étnicas e religiosas surgem na ex-URSS e na Iugoslávia. Atualmente, a principal ameaça à unidade territorial da Federação Russa é a Chechênia, onde muçulmanos estão em guerra contra o poder central russo pela independência da região. A luta separatista dos abkházios e dos ossetas na vizinha Geórgia também ganha impulso após a dissolução da URSS. Em muitos casos, a difícil situação econômica faz com que essa tendência de "retorno às origens" seja manipulada por líderes populistas. Com o objetivo de apontar vilões para a crise, dirigentes como o sérvio Slobodan Milosevic incitam antigas inimizades e ressentimentos entre os povos – neste caso, as que opõem croatas e sérvios nos Bálcãs. O nacionalismo também se manifesta em regiões periféricas da economia mundial, a exemplo da África Subsaariana, onde as fronteiras políticas instituídas com a colonização e, posteriormente, com a independência não obedecem às divisões étnicas, religiosas e lingüísticas da população. Durante a Guerra Fria, as elites de vários países africanos mantêm a coesão nacional graças ao apoio dos EUA ou da URSS. Sem esse suporte, Estados como a Repúplica Democrática do Congo, Serra Leoa e Somália enfrentam guerras violentas. 

     FUNDAMENTALISMO RELIGIOSO – O fortalecimento de grupos fundamentalistas – que buscam nos fundamentos da religião a base para a organização da vida social e política – é visto como resposta à incapacidade dos governos de solucionar o problema do aumento da miséria e do desemprego e da concentração de renda. Em regiões de forte tradição religiosa, facções fundamentalistas assumem a vanguarda do combate ao modelo econômico vigente. É o caso do mundo árabe – que inclui nações como Argélia, Egito e Jordânia –, onde o fundamentalismo se torna o maior desafio aos dirigentes alinhados com o Ocidente. Na Índia, o governo ultranacionalista hindu conquista o apoio das camadas populares com medidas que reafirmam a essência hinduísta do país e, ao mesmo tempo, abalam o ideal de um Estado secular incorporado a sua Constituição. 

     FORÇAS INTERNACIONAIS – Nos anos 90, os EUA comandam as maiores coalizões militares internacionais formadas após o fim da II Guerra Mundial. A primeira atua na Guerra do Golfo (1991), quando o Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) autoriza o ataque ao Iraque. Em 1999, o bombardeio à Iugoslávia ocorre diante da ameaça de que a repressão aos albaneses de Kosovo provocasse um grande conflito próximo à Europa Ocidental. Como a Federação Russa – aliada da Iugoslávia – poderia vetar a ofensiva externa no Conselho de Segurança, os EUA planejam a operação por meio da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), aliança militar ocidental que lideram.
     Intervenções de tropas norte-americanas na Somália (1992-1994) e no Haiti (1994-1995), por outro lado, não alcançam o objetivo de pôr fim aos conflitos nesses países.
     Ações humanitárias – A década de 90 também registra a crescente participação da comunidade internacional em operações de caráter humanitário. Organizações como a Cruz Vermelha e a Médicos sem Fronteiras estão presentes em vários conflitos com o objetivo de dar alívio imediato a populações civis ameaçadas. É cada vez mais importante o papel de entidades como a Anistia Internacional ou a Human Rights Watch, que denunciam a perseguição política e a violação dos direitos humanos por regimes que cometem crimes contra os próprios povos.

    O mundo em conflito 
     

    sábado, 23 de outubro de 2010

    POPULAÇÃO MUNDIAL E BRASILEIRA (04)

    As conseqüências do envelhecimento da população mundial



    Todos os países do mundo passam, passaram ou passarão por “certas” fases do crescimento demográfico que são característicos na humanidade. São 3 momentos.
    No primeiro momento a natalidade e a mortalidade são muito altas, então a população do pais cresce muito pouco.

    No segundo momento a natalidade continua relativamente alta e as taxas de mortalidade diminuem consideravelmente, havendo assim uma explosão demográfica. Todos os países passaram por esse momento, principalmente os subdesenvolvidos, onde a política é muito fragilizada.

    No terceiro momento, é justamente o que alguns países desenvolvidos estão passando. É quando a taxa de natalidade cai muito e a de mortalidade também. A conseqüência disso, é a diminuição da parcela de jovens, e o aumento significativo da população idosa, portanto havendo um envelhecimento da população.

    Os países mais desenvolvidos já estão nessa fase, e a tendência é que os emergentes também sigam. O Brasil, por exemplo, esta caminhando para essa fase, no entanto os países subdesenvolvidos ainda sofrem a segunda fase, em que há um aumento populacional muito intenso.

    Quando se discute esses problemas de população, é quase certo que o mundo passe por um momento histórico, em que a maior parte da população mundial seja idosa.

    Mas, quais as conseqüências desse envelhecimento?

    O primeiro problema será a falta de jovens no mercado de trabalho, uma vez que essa parcela da população é muito ativa e importantíssima para a economia. A falta de jovens, também elevaria os custos de mão-de-obra, causando assim vários transtornos à economia. E o aumento significativo da população idosa.

    O segundo problema seria a elevação dos custos de previdência social, uma vez que quando as pessoas forem envelhecendo, naturalmente ela começarão a se aposentar.

    Outro problema será os autos custos com saúde, pois a grande massa de idosa naturalmente ira necessitar de auxilio médico, elevando assim os custos.

    Portanto, esses custos pesarão muito na economia tanto dos países subdesenvolvidos quanto a dos países desenvolvidos, e naturalmente será um problema econômico grave.

    Então esse vai ser o nosso futuro, em que todos nos sofreremos e participaremos!

    sexta-feira, 22 de outubro de 2010

    POPULAÇÃO MUNDIAL E BRASILEIRA (03)

    ESTRUTURA DA POPULAÇÃO

    1- Estrutura ocupacional
    Com base na estrutura ocupacional a população de um país pode ser dividida em dois grupos:
    a)       População economicamente ativa (PEA): corresponde as pessoas que trabalham em um dos setores formais da economia ou que estão a procura de emprego. Subdividi-se em, desempregados e população ocupada.
    b)       População economicamente inativa (PEI) ou população não economicamente ativa (PNEA): corresponde a parcela da população que não está empregada como crianças, velhos, deficientes, estudantes, etc., ou que não exercem atividades remuneradas como donas de casa. Esse camada da sociedade demanda grandes investimentos sociais, e é bancada pela população ativa.

    1.1-  Desemprego e Subemprego:
    Hoje o maior problema enfrentado pela maioria dos países do mundo é o desemprego, ele é uma realidade não apenas em países subdesenvolvidos mas também, em países altamente desenvolvidos como a Alemanha.
    O desemprego se divide em dois tipos fundamentais:
    a)       Desemprego conjuntural: que é aquele que está ligado a conjunturas de crise econômica, nas quais a oferta de empregos e os postos ocupados diminuem.
    b)       Desemprego estrutural ou tecnológico: que está ligado a estrutura produtiva, e aos avanços tecnológicos introduzidos na produção, em substituição da mão de obra humana, como o que é gerado pela robótica.
    Além do desemprego, é comum hoje a existência dos chamados subempregos, onde o trabalhador além de trabalhar na maioria das vezes em condições precárias, ganha baixíssimos salários e não tem nenhuma garantia legal. Esse tipo de atividade é muito comum hoje em países subdesenvolvidos como o Brasil, onde o número de subempregados é enorme, e grande parte da população depende do trabalho dessas pessoas.

    1.2-  Trabalho infantil 
    Além do fato de a juventude ser a maior afetada com o desemprego, existe nos países subdesenvolvidos o problema do trabalho infantil, o qual é gerado por sérios problemas econômicos e sociais enfrentados por esses países, onde crianças precisam trabalhar para ajudar na renda familiar. Muitas vezes as condições de trabalho que se encontram essas crianças é de completa insalubridade. Além disso outros problemas como o abandono dos estudos são gerados em virtude desse tipo de atividade.
    No Brasil o número de criança que trabalham é muito grande, isso se deve em especial, pelo fato de grande parte dos chefes de famílias brasileiros, não terem condições de arcar sozinhos com os gastos familiares, o que faz com que milhares de crianças tenham que  trabalhar. É muito comum também no Brasil, os adultos se aproveitarem das crianças, fazendo com que elas trabalhem enquanto o próprio adulto não busca o que fazer.

    1.3-  Setores da economia
    A economia dos países se divide em 3 setores chamados de formais, pois, contribuem com a arrecadação de impostos, assinam carteira, dentre outras formalidades legais.
    São eles os seguintes:
    a)       Setor primário: que envolve em geral atividades ligadas ao meio rural, como, a agricultura, pecuária, extrativismo vegetal e a pesca.
    b)       Setor secundário: que envolve as atividades industriais.
    c)       Setor terciário: que envolve as atividades do comércio, prestação de serviços, funcionalismo público, etc.
    È importante ressaltar que o espaço onde se desenvolvem essas atividades não é rígido, ou seja, podemos ter atividades primárias no espaço urbano, como o que ocorre com os cinturões verdes, ou atividades secundárias no espaço rural, como o que ocorre na agroindústria.
    Hoje em dia em virtude do grande avanço tecnológico, alguns autores passam a trabalhar com a idéia de um setor quaternário, onde se desenvolveriam as atividades de pesquisa de ponta, envolvendo universidades, centros de pesquisas, etc., esse setor surge em função da Revolução Tecnocientífica em andamento.
    No Brasil, e em outros países subdesenvolvidos, se dá a chamada hipertrofia (inchaço) do setor terciário, que por sua vez tem gerado a proliferação de atividades informais.
    Esse processo decorre do intenso êxodo rural que gera um inchaço no setor terciário urbano, na medida em que a indústria atual utiliza cada vez menos mão de obra. Fazendo com que muitas pessoas especialmente nos grandes centros do país, tenham que depender de atividades informais, os chamados subempregos, além do que contribui com o aumento da criminalidade, na medida em que muitos trabalhadores passam a desenvolver atividades à margem da lei para poder sustentar suas famílias.

    1.4-  A participação da mulher no mercado de trabalho.
    Apesar de crescente, a participação das mulheres no mercado de trabalho não tem significado ainda melhorias das condições de vida, pelo contrário, pesquisas mostram que com o aumento de lares liderados por mulheres, houve uma redução na renda familiar. Isso se deve ao fato de as mulheres em média ganharem salários mais baixos que os homens para desempenharem as mesmas funções. As causas que estão por trás deste fato são por exemplo:
    -          a herança patriarcal de nossa sociedade;
    -          o machismo ainda muito forte e presente no nosso dia-a-dia;
    -          a desvalorização do trabalho doméstico;
    -          o preconceito que coloca a mulher como sexo frágil.
    Além dos menores salários, do preconceito, do machismo, etc., as mulheres ainda tem que enfrentar as jornadas duplas ( trabalho e casa ) ou triplas ( casa, trabalho e estudos ). Também é a mulher a maior vítima da violência doméstica, em geral praticada por maridos violentos.
    Mesmo com todas essas dificuldades, as mulheres vem avançando em seus direitos e conseguindo espaços cada vez maiores na nossa sociedade, como por exemplo o fato de a maioria dos universitários brasileiros serem mulheres.

    PIRÂMIDE ETÁRIA

    Gráfico populacional que leva em consideração a estrutura sexual da população ( homens e mulheres ) e as faixas etárias - 0 à 19 anos jovens, 20 à 59 adultos, e 60 ou + anos idosos.
    A estrutura da pirâmide é a seguinte:
    -          Base: corresponde aos jovens.
    -          Meio: corresponde aos adultos.
    -          Topo ou ápice: corresponde aos idosos.


    A análise das pirâmides nos permite verificar a situação de desenvolvimento ou subdesenvolvimento dos países.
    Exemplo: uma pirâmide de base larga, indica grande crescimento vegetativo; o topo estreito, indica baixa expectativa de vida, o que nos faz concluir que essa seja de um país subdesenvolvido. Por outro lado, uma base mais estreita, indica pequeno crescimento vegetativo; um topo mais largo, indica grande expectativa de vida, o que nos leva a concluir que seja um país desenvolvido.
    A análise das pirâmides etárias é de fundamental importância para os estudos de população.
    No Brasil, temos verificado uma mudança na pirâmide etária, que tem alargado o topo, e estreitado a base. Essas mudanças decorrem em especial da urbanização do país, que mudou significativamente o modo de vida de grande parte dos brasileiros, principalmente com relação aos filhos, e também garantiu avanços fundamentais a nível médico-sanitário.

    quinta-feira, 21 de outubro de 2010

    Dica da Semana - Pleonasmo


    "Encarar de frente"?

    "Adriane Galisteu decidiu encarar de frente o escândalo das passagens aéreas da Câmara dos Deputados."

    No fragmento acima, encontramos um caso de pleonasmo. Trata-se de uma expressão redundante, que, na linguagem falada, ganha efeito de realce (ênfase). Na linguagem escrita, porém, não se recomenda o emprego de expressões desse tipo.

    "Encarar de frente" ou "enfrentar de frente" resumem-se a "encarar" ou "enfrentar" simplesmente. Há muitas outras a evitar: em vez de "sair para fora", empregue-se apenas "sair", já que "sair" contém a ideia de "ir para fora". Não se diz "hemorragia de sangue", pois "hemorragia" é o escoamento de sangue fora dos vasos sanguíneos.

    "Teto máximo" e "piso mínimo" também são pleonasmos. Basta dizer "teto salarial" e "piso salarial", entendidos teto e piso, respectivamente, como valor máximo e valor mínimo. São muitos os casos. Convém ficar atento.

    Abaixo, o texto corrigido:

    Adriane Galisteu decidiu encarar o escândalo das passagens aéreas da Câmara dos Deputados.

    ENEM 2010

    O Enem vem aí... está preparado?


    Vem aí o Enem 2010, nos dias 6e 7 de Novembro, e o essêncial dessa prova será exclusivamente o raciocínio. Dessa forma, não se deve fazer perguntas do tipo "O que cai no Enem?" ja que a preocupação do estudante deverá ser em como os assuntos serão abordados e que tipo de análises serão exigidas.

    Mas é possível se preparar para essa avaliação? Claro que sim, praticando a leitura em textos coloquiais e formais, quadrinhos, diagramas e gráficos etc; mantendo-se atualizado através dos meios de comunicação; praticando a escrita, e elaborando redações.

    Estar "antenado" sobre os assuntos do momento, como questões relativas pro exemplo ao aquecimento global, à futura escassez de água, à demanda por formas alternativas de energia, é uma ótima alternativa. Há outros assuntos que podem render temas para a redação como a relação entre esporte, educação e transformação social, educação e violência, o capitalismo e sua influência na economia etc. Mas "estar por dentro" desses assuntos não garante sucesso se quem fizer a prova não souber como lidar com esses conhecimentos e assimresolver problemas com a coerência que a prova necessita.

    Como é uma prova que privilegia leitura, os principais erros cometidos pelos participantes são a falta de atenção e compreensão adequadas das propostas das questões. Por isso, não tenha medo e nem pressa de ler para que você assim possa compreenda e ter maiores chances de sucesso.

    Com relação à véspera da prova, procure seguir seu ritmo normal, sem cometer excessos. Não invente nem tente seguir "receitas milagrosas" para melhorar seu rendimento na prova. Durma bem, acorde cedo, alimente-se adequadamente antes de sair de casa. Saia com antecedência para chegar dentro do horário e suprimir fatores adicionais de estresse. Ao iniciar a prova, concentre-se na leitura, tenha calma e paciência. E aproveite todo o tempo disponível para fazê-la. Não tenha pressa em sair da sala e não se preocupe com os colegas ao lado. Nessa prova eles não são seus concorrentes. A batalha é sua e por você mesmo. É uma questão de superação pessoal. Boa sorte e boa prova!