sexta-feira, 29 de julho de 2011

CRISE FINANCEIRA




RODÍZIO DE UMA NOTA DE R$ 100,00

Numa cidade, os habitantes, endividados, estão vivendo às custas de crédito.
Por sorte chega um gringo e entra no único hotel.
O gringo saca uma nota de R$100,00, põe no balcão e pede para ver um quarto.
Enquanto o gringo vê o quarto, o gerente do hotel sai correndo com a nota de R$100,00 e vai até o açougue pagar suas dívidas com o açougueiro.
O açougueiro, pega a nota e vai até um criador de suínos a quem deve e paga tudo.
O criador, por sua vez, pega também a nota e corre ao veterinário para liquidar sua dívida.
O veterinário, com a nota de R$100,00 em mãos, vai até à zona pagar o que devia a uma prostituta (em tempos de crise essa classe também trabalha a crédito).
A prostituta sai com o dinheiro em direção ao hotel, lugar onde levava seus clientes; e como ultimamente não havia pago pelas acomodações, paga a conta de R$100,00.
Nesse momento, o gringo chega novamente ao balcão, pede sua nota de R$100,00 de volta, agradece e diz não ser o que esperava e sai do hotel e da cidade.
Ninguém ganhou um vintém, porém agora todos saldaram suas dívidas e começam a ver o futuro com confiança!

Moral da história: Quando o dinheiro circula, não há crise !!! Portanto não deixe seu dinheiro mofando debaixo do colchão, coloque-o para circular. E seja consciente.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Emigração brasileira 02

“Brasiguaios”

São os brasileiros que, a partir da década de 1970, optaram por residir no Paraguai, incentivados pelos baixos preços da terra. O governo do país vizinho autorizou o loteamento de pequenas propriedades na região do Alto Paraná, atraindo os brasileiros, uma vez que a terra, do nosso lado (Paraná e Santa Catarina), era cara demais.
No entanto, houve corrupção por parte de empresas particulares e do próprio governo paraguaio no processo de colonização, como a venda de uma mesma propriedade a dois compradores, o que resultou em conflitos. Posteriormente, o pequeno produtor, abandonado pela falta de legislação, foi desapropriado e muitos vivem na miséria ou optam pela volta ao Brasil.
Apesar do desprezo e do abandono por parte do governo, na década de 1990 os "brasiguaios" foram responsáveis por 90% da soja e 80% do milho produzidos no Paraguai.

10-

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Vegetação Brasileira - Mata de Cocais

A zona dos Cocais aparece principalmente nos estados do Maranhão e Piauí. Sua vegetação é caracterizada pelo predomínio de palmeiras, entre as quais se destacam o babaçu, a carnaúba e os buritis.
Essas matas têm grande importância comercial, pois do babaçu se extraem, entre outras substâncias, óleos, fibras e glicerina, e da carnaúba, a cera.
Nos últimos anos, a zona dos Cocais tem sido devastada para o aumento das áreas de pastagens. Isso não ocorreria, entretanto, se fosse feito um reflorestamento, uma vez que as espécies vegetais aí encontradas são capazes de se reproduzir com grande velocidade.
Carnaúbas no Piauí (Copernicia prunifera)

domingo, 24 de julho de 2011

Vegetação Brasileira - Caatinga


Curiosidades sobre a Caatinga

· Estudos recentes mostram que cerca de 327 espécies animais são endêmicas (exclusivas) da Caatinga. São típicos da área 13 espécies de mamíferos, 23 de lagartos, 20 de peixes e 15 de aves. Entre as plantas há 323 espécies endêmicas.
· A Caatinga compreende quase 10% da área total do território brasileiro, com aproximadamente 740.000 km2.
· Uma área de Caatinga mais conservada pode abrigar cerca de 200 espécies de formigas, enquanto nas mais degradadas há de 30 a 40.
· Cerca de metade da paisagem de Caatinga já foi deteriorada pela ação do homem. De 15% a 20% do bioma estão em alto grau de degradação (com risco de desertificação).
· Vive na Caatinga a ave com maior risco de extinção no Brasil, a ararinha-azul (Anodorhynchus spix), da qual só se encontrou um único macho na natureza. Também vive ali a segunda mais ameaçada do país, a arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari). Habitam os arredores de Canudos (BA), e há menos de 150 exemplares, um décimo da população ideal no caso de aves, que demoram a se reproduzir.
· Uma formação de relevo característica na depressão nordestina é o 'inselberg', bloco rochoso sobrevivente ao desgaste natural.
· Na estação seca a temperatura do solo pode chegar a 60ºC.
· A perda das folhas da vegetação da Caatinga é estratégica. Sem folhas, as plantas reduzem a superfície de evaporação quando falta água.
· No idioma tupi, Caatinga quer dizer Mata Branca, referência à vegetação sem folhas que predomina durante a época de seca.

sábado, 23 de julho de 2011

Curiosidades sobre o Litoral Brasileiro


Você Sabia que?

· Todos os anos os rios carregam para o Pantanal cerca de 50 milhões de toneladas de terra e areia. Somente um terço dos sedimentos deixa a região, fazendo com que o acúmulo de resíduos altere o leito dos rios e aumente a área alagada.
· Brasil possui 7.367 km de linha costeira, sem levar em conta os recortes litorâneos (baías, reentrâncias, golfões etc.), que ampliam significativamente essa extensão, elevando-a para mais de 8,5 mil km.
· O litoral está quase todo voltado para o Atlântico Sul. Porém, uma pequena parcela (no extremo norte do país) debruça-se sobre o Mar do Caribe.
· O Amapá conta com uma das maiores áreas costeiras do país (12,3% do total) e o Piauí detém a menor área (0,2% do total).
· A densidade demográfica média da Zona Costeira é de 87 hab/km², cinco vezes superior à média nacional, de 17 hab/km².
· As tartarugas marinhas estão entre os animais mais antigos do planeta. Existem há mais de 150 milhões de anos e conseguiram sobreviver a todas as mudanças registradas no globo terrestre durante esse período.
· As cinco espécies de tartarugas marinhas encontradas no Brasil são: tartaruga verde (a mais comum), a cabeçuda, a pente, a oliva e a gigante (a mais ameaçada no país).
· O arquipélago de Fernando de Noronha fica a 345 km da costa do nordeste brasileiro e é constituído por uma ilha principal e 19 ilhotas, totalizando 26 km2. De origem vulcânica, Fernando de Noronha possui um dos maiores índices de biodiversidade marinha do Brasil.
· Somente na costa do Rio Grande do Sul - conhecida como um centro de aves migratórias – já foi registrada a presença de aproximadamente 570 espécies de aves diferentes.
· O fato de a grande maioria dos principais rios nacionais convergir para a Zona Costeira, alguns carregados de resíduos de agrotóxicos e adubos e efluentes das indústrias, faz dela uma região muito vulnerável aos impactos ambientais.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Imigração Brasileira(07)

Alemães, Italianos, Eslavos...

A colonização definitiva das áreas florestais do Sul só foi concretizada a partir do momento em que o governo imperial incentivou a vinda de imigrantes europeus para a região. Chegou-se a acreditar por algum tempo que os imigrantes teriam optado pelo Sul em virtude das condições climáticas da região. Como os imigrantes eram originários de regiões temperadas, eles teriam “escolhido” o Sul, que apresentava essas características. Na verdade, ao incentivar a vinda dos imigrantes, o governo tinha em mente objetivos de caráter estratégico.
Se no início do século XIX o Sul brasileiro era praticamente despovoado, o mesmo não acontecia nas regiões limítrofes. A Argentina e o Paraguai, especialmente, apresentavam expressivos agrupamentos populacionais nas proximidades do Brasil meridional. Assim, era de fundamental importância estratégica fixar de forma definitiva populações nessa região, para evitar que o vazio demográfico despertasse a cobiça dos vizinhos.
Costuma-se considerar que os primeiros imigrantes a se estabelecerem no Sul foram os alemães, na região de São Leopoldo (1824), ao norte de Porto Alegre; esse evento é considerado o marco inicial do período de imigração para o Brasil. Depois novas colônias alemãs, como, por exemplo, Novo Hamburgo, foram instaladas próximas a São Leopoldo, no Vale do Rio dos Sinos. Os alemães ocuparam as regiões de relevo mais baixo. A encosta e o planalto seriam ocupados, mais tarde, por imigrantes italianos.



Em 1851, era instalada a colônia alemã de Joinville; em 1854 a de Blumenau; e em 1860a de Brusque. Posteriormente, a colonização alemã expandiu-se pelo Vale do Itajaí catarinense. Mas esse fluxo diminuiu a partir de 1859, quando foi promulgado o Rescrito de Heydt, proibindo a saída de germânicos para o Brasil. Essa proibição decorreu da divulgação, na Alemanha, das más condições a que estavam submetidos muitos dos colonos que já se haviam fixado no Brasil.
Daí em diante, o maior fluxo passou a ser de italianos. Eles se fixaram nas enconstas e na área planáltica do norte de Porto Alegre, onde criaram várias colônias – entre as quais Caxias do Sul, Garibaldi e Bento Gonçalves. A proximidade das colônias italianas e alemãs com Porto Alegre foi fundamental para o seu crescimento. Parte considerável da produção colonial era destinada ao expressivo mercado consumidor que vinha se constituindo naquela que seria a futura metrópole gaúcha.
A colonização italiana também se verificou em Santa Catarina. Nesse Estado, os italianos se fixaram junto ao Vale do Itajaí, justapondo-se à colonização alemã preexistente. Houve também colonização italiana junto à encosta sul do planalto catarinense, na chamada “região carbonífera” (Criciúma, Urussanga, Lauro Müller). Todas essas áreas pioneiras de colonização européia passaram a ser conhecidas como “áreas coloniais velhas”, em oposição àquelas que foram ocupadas mais tarde, chamadas de “áreas coloniais novas”.
Ao final do século XIX, a imigração foi estimulada não só pelo governo federal, mas também por iniciativa dos governos provinciais e de empresas particulares. Nessa época, a imigração atingiu o seu auge com a continuação da entrada de italianos e a chegada, em menor quantidade, de pessoas de outras origens, especialmente eslavos (poloneses, russos, ucranianos), que se fixaram no centro-leste do Paraná.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Imigração Brasileira(06)

Outros Imigrantes

Os eslavos, representados pelos russos, ucranianos e poloneses, concentraram-se no Paraná, em atividades agrícolas e extrativas (araucária), e fundaram cidades, por exemplo, Ponta Grossa. Chegaram principalmente entre 1872 e 1886.
Os suíços-alemães foram dos primeiros imigrantes a chegar ao país, por volta de 1819. Fundaram Nova Friburgo no Rio de Janeiro. Foi uma tentativa fracassada do governo em colonizar essa região, em virtude da falta de meios de comunicação e transporte.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Imigração Brasileira(05)

 Japoneses

Começaram a chegar em 1908, sendo o maior período entre 1924 e 1934, e eram provenientes de áreas rurais do Japão. Dedicaram-se a atividades agrícolas e atividades urbanas relacionadas ao comércio.
Assim como aconteceu com os alemães, os japoneses também tiveram sérias dificuldades culturas de adaptação, notadamente pelo idioma, muito diferente do nosso. O estado de São Paulo foi o que mais recebeu esses imigrantes. Confira, pelo mapa, as áreas mais importantes.


1 – Grande São Paulo: colaboraram na formação do cinturão hortifrutigranjeiro.

2 – Oeste paulista: região de Marília, Bastos, Tupã, Lins – dedicaram-se à cafeicultura e à cultura do algodão.

3 – Vale do Ribeira do Iguape: cultivaram o chá da Índia e a banana.

4 – Vale do Paraíba do Sul: cultura irrigada do arroz.

Outras áreas receberam os japoneses: o norte do Paraná, na cafeicultura, a zona de Bragantina, no Pará, no cultivo de pimenta do reino (cidade de Tomé-Açu) e o vale do Amazonas, nas culturas de juta e arroz.

terça-feira, 19 de julho de 2011

Imigração Brasileira(04)

Espanhóis

Em relação ao número, representaram o terceiro maior grupo imigratório, e sua imigração é considerada antiga, graças à União Ibérica (1580/1640). O período mais importante ocorreu entre 1904 e 1914. Eles fixaram principalmente em São Paulo e, em menor número, no Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Em razão do idioma e religião semelhantes, não tiveram dificuldades culturais de adaptação ao País.

Alemães

A partir de 1824, os alemães começaram a chegar, principalmente no Rio Grande do Sul (vale do rio dos Sinos), em colônias como São Leopoldo, Novo Hamburgo e Taquara. Em Santa Catarina, marcaram o vale do Itajaí, e áreas vizinhas, com colônias que deram origem a Blumenau e Joinville, entre outros. Atualmente, essa região é caracterizada pela indústria têxtil.


5-


Ao contrário dos italianos e espanhóis, os alemães tiveram uma integração cultural bastante difícil, em virtude da grande diferença entre as culturas. O principal período da entrada ocorreu de 1850 a 1871.

domingo, 17 de julho de 2011

Imigração Brasileira(02)

Portugueses e Italianos

Grupo de imigrantes mais numerosos, os portugueses entraram no país em vários períodos, sobretudo de 1500 a 1808, 1891 a 1930 e após 1950, somando quase 1,8 milhão de imigrantes. Geograficamente, optaram por São Paulo e Rio de Janeiro, e uma minoria, por outros lugares. Contribuíram culturalmente com o idioma e a religião predominante no país (católica).
Após os portugueses, os italianos constituem o grupo mais abundante de imigrantes. O estado de São Paulo foi a principal área de destino desses imigrantes que, juntamente com outros grupos, substituíram o trabalho escravo nas lavouras de café.
Outros italianos tentaram a vida na região Sul, sobretudo em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, principalmente, como pequenos agricultores, marcando a agricultura sulista com a mão-de-obra familiar e vitivinicultura.



sexta-feira, 15 de julho de 2011

TRATADO DE MADRID


O Tratado de Madrid foi firmado na capital espanhola entre D. João V de Portugal e D. Fernando VI de Espanha, a 13 de Janeiro de 1750, para definir os limites entre as respectivas colônias sul-americanas, pondo fim assim às disputas. O objetivo do tratado era substituir o de Tordesilhas, o qual já não era mais respeitado na prática. As negociações basearam-se no chamado Mapa das Cortes, privilegiando a utilização de rios e montanhas para demarcação dos limites. O diploma consagrou o princípio do direito privado romano do uti possidetis, ita possideatis (quem possui de fato, deve possuir de direito), delineando os contornos aproximados do Brasil de hoje.


quinta-feira, 14 de julho de 2011

Desabafo

Ô povinho!!

Todos que sonham com um Brasil mais íntegro e desenvolvido batem na mesma tecla, a de que devemos investir maciçamente em educação. Bato nessa tecla também, mas às vezes meu desânimo faz com que não acredite nem nisso. Ao ver a matéria que foi ao ar no último Fantástico sobre médicos e dentistas que embolsam salários sem comparecer aos plantões, deixando centenas de pessoas doentes sem atendimento, pensei: isso lá é problema de falta de educação?

São profissionais que fizeram faculdade, tiveram formação acadêmica. Não passaram a infância soltos pelas ruas. E, mesmo assim, não possuem o menor senso de compromisso e ética. São tão corruptos quanto os políticos que eles xingam em mesas de bar, pensando que são diferentes.
Aí lembro daquela piada que diz que Deus criou o Brasil com uma natureza exuberante, um clima espetacular, um solo fértil, uma abundância de rios, sem risco de terremotos, “mas espera pra ver o povinho que vai ser colocado ali”.

Jamais deixaria de cumprir minhas obrigações, ainda mais se trabalhasse numa área tão essencial quanto a saúde pública, mas não adianta apontar o dedo para os outros e se excluir do problema. O povinho somos todos nós. Uns sem nenhum caráter, outros com algum caráter (mas fazendo suas picaretagens habituais) e outros com um caráter muito bom, porém molham a mão do policial para evitar uma multa e bebem antes de dirigir, ninguém é perfeito.

Generalizando, somos um povinho essencialmente egoísta. Pensamos apenas no nosso próprio bem-estar. E ainda por cima vulgares, loucos por dinheiro, todos emergentes querendo mais, mais, mais. O governo rouba de nós através de impostos que não são revertidos em benefícios sociais e a gente desconta passando a perna em quem estiver por perto. Se alguém encontra uma carteira de dinheiro e devolve para o dono, vai parar na primeira página do jornal como se fosse um peixe com braços, uma anomalia.

Seguimos morrendo no trânsito, a despeito das campanhas de conscientização, pois somos arrogantes, achamos que nada pode dar errado conosco, e se der, a culpa será sempre do outro. Obediência, respeito, espírito coletivo, nada disso pegou no Brasil. Nem vai pegar. A miséria pode diminuir, o poder aquisitivo aumentar, haver mais emprego, mais crianças na escola, tudo ótimo, mas não soluciona a raiz dos nossos problemas: a índole. Algo que se depura em casa, na infância, no ambiente familiar, mas quem vai regulamentar isso, como controlar as regras internas, quem vai determinar o que é legal e ilegal entre quatro paredes?

Cada lar é um país. Somos milhões de presidentes. Está tudo nas nossas mãos. Um poder transformador, se soubéssemos fazer a coisa direito.

Prof. Msc. Henrique Schnitzspahn

Hinduísmo


A religião dos deuses Hinduísmo, mais do que uma simples religião, é um complexo conjunto de doutrinas e práticas religiosas que surgiram na Índia cerca de 4.000 anos atrás. Em sânscrito a palavra hinduísmo escreve-se "sanatana dharma", que significa "a lei permanente". São cerca de 650 milhões de adeptos dessa religião no mundo. A base do hinduísmo está nos chamados Quatro Livros Sagrados dos Vedas (Rigveda, Samaveda, Yajurveda e Artharvaveda). O conhecimento que deu origem a esses livros possivelmente vinha pela tradição oral e talvez até pela pintura. No século 10, foram compilados. A origem dos Vedas seria um povo ário de origem indo-européia, que teria chegado à região dos rios Indo e Ganges cerca de 3.500 anos atrás e lá se estabelecido. O hinduísmo é uma das primeiras religiões a ter como fundamento a crença na reencarnação e no carma, bem como na lei de ação e reação _que milhares de anos depois, no século 19, seria encampada pelo espiritismo. Para os hindus, tudo reencarna. Não só pessoas, mas animais também. Assim como o islamismo e o cristianismo, o hinduísmo também ganhou status de ordem política, já que ele ensina que a lei (dharma) criou os humanos e a própria natureza sob um sistema de castas. Cada indivíduo pertence à casta que merece. Quanto mais alta a casta, em tese, maior evolução espiritual essa pessoa tem. A religião não busca a felicidade neste mundo. Sua principal orientação é para que o homem se liberte de todo o carma e das reencarnações, e atinja um estado conhecido como nirvana. O Paraíso bíblico, para os hindus, é esse. Para atingir esse "lugar" é necessário praticar ioga e meditação diariamente, por toda a vida. e fazer o bem, claro. Trata-se de uma religião politeísta (com vários deuses e deusas). Entre eles Brahma, o deus principal e criador, que com Shiva e Vishnu. Formam a tríade divina ("traduzindo" para os cristãos, Pai, Filho e Espírito Santo); também há Varuna, o deus dos deuses; Agni (patriarca dos homens e deus do fogo) e muitos outros, como a deusa Maya (ilusão), que comanda este mundo "ilusório". Ratos, vacas e serpentes são animais considerados sagrados. Por isso, ratos se tornaram uma praga praticamente indestrutível na Índia onde calcula-se que haja cerca de 3,5 bilhões deles, mais de três vezes a população do país. Segundo a tradição, Brahma teve quatro filhos que deram origem às quatro castas: brâmanes (os que saíram da boca de Brahma), são a mais elevada; os xátrias (os que saíram dos braços de Brahma), que são os guerreiros; os vaicias (os que saíram das pernas de Deus ou Brahma), são os camponeses e comerciantes; os sudras (aqueles que saíram dos pés de Brahma), são os servos e escravos. Os párias, a quinta categoria, não são uma casta. São pessoas que cometeram "crimes" e que desobedeceram às leis sagradas. Seus filhos automaticamente são párias também. Socialmente são considerados um "nada". A eles é proibido viver nas cidades e até mesmo ler qualquer um dos livros sagrados.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Conflito Norte x Sul

Subdesenvolvimento e Desenvolvimento 

TRATADO DE TORDESILHAS


O Tratado de Tordesilhas, assinado na povoação castelhana de Tordesilhas em 7 de Junho de 1494, foi um tratado celebrado entre o Reino de Portugal e o recém-formado Reino da Espanha para dividir as terras "descobertas e por descobrir" por ambas as Coroas fora da Europa. Este tratado surgiu na sequência da contestação portuguesa às pretensões da Coroa espanhola resultantes da viagem de Cristóvão Colombo, que ano e meio antes chegara ao chamado Novo Mundo, reclamando-o oficialmente para Isabel, a Católica.
O tratado definia como linha de demarcação o meridiano 370 léguas a oeste da ilha de Santo Antão no arquipélago de Cabo Verde. Esta linha estava situada a meio-caminho entre estas ilhas (então portuguesas) e as ilhas das Caraíbas descobertas por Colombo, no tratado referidas como "Cipango" e Antília. Os territórios a leste deste meridiano pertenceriam a Portugal e os territórios a oeste, à Espanha. O tratado foi ratificado pela Espanha a 2 de Julho e por Portugal a 5 de Setembro de 1494.
Algumas décadas mais tarde, na sequência da chamada "questão das Molucas", o outro lado da Terra seria dividido, assumindo como linha de demarcação, a leste, o antimeridiano correspondente ao meridiano de Tordesilhas, pelo Tratado de Saragoça, a 22 de Abril de 1529.
No contexto das Relações Internacionais, a sua assinatura ocorreu num momento de transição entre a hegemonia do Papado, poder até então universalista, e a afirmação do poder singular e secular dos monarcas nacionais - uma das muitas facetas da transição da Idade Média para a Idade Moderna.
Para as negociações do Tratado e a sua assinatura, D. João II de Portugal designou como embaixador a sua prima de Castela (filha de uma infanta portuguesa) a D. Rui de Sousa. Os originais de ambos os tratados estão conservados no Archivo General de Indias na Espanha e no Arquivo Nacional da Torre do Tombo em Portugal.




terça-feira, 12 de julho de 2011

Cristianismo, a religião de Jesus


O cristianismo é uma das chamadas grandes religiões. Tem aproximadamente 1,9 bilhão de seguidores em todo o mundo, incluindo católicos, ortodoxos e protestantes. Cristianismo vem da palavra Cristo, que significa messias, pessoa consagrada, ungida. Do hebraico mashiah (o salvador) foi traduzida para o grego como khristos e para o latim como christus.A doutrina do cristianismo baseia-se na crença de que todo o ser humano é eterno, a exemplo de Cristo, que ressuscitou após sua morte. A fé cristã ensina que a vida presente é uma caminhada e que a morte é uma passagem para uma vida eterna e feliz para todos os que seguirem os ensinamentos de Cristo, baseados na fraternidade e no amor ao próximo.Os ensinamentos estão contidos na Bíblia, dividida entre o Antigo e o Novo Testamento.O Antigo Testamento trata da lei judaica, ou Torah. Começa com relatos da criação e é todo permeado pela promessa de que Deus, revelado a Abraão, a Moisés e aos profetas enviaria à Terra seu próprio filho como Messias, o salvador.O Novo Testamento contém os ensinamentos de Cristo, escritos por seus seguidores. Os principais são os quatro evangelhos ("mensagem", "boa nova"), que são quatro versões mais ou menos semelhantes da vida de Cristo, escritas pelos apóstolos Mateus, Marcos, Lucas e João. Também inclui os Atos dos Apóstolos (cartas e ensinamentos que foram passados de boca em boca no início da era cristã, com destaque para os textos de São Paulo) e o Apocalipse (texto até hoje polêmico e que narra, basicamente, como seria ao fim do mundo).O nascimento do cristianismo se confunde com a história do império romano e com a história do povo judeu. Na sua origem, o cristianismo foi apontado como uma seita surgida do judaísmo.Quando Jesus Cristo nasceu, na pequena cidade de Belém, próxima a Jerusalém, os romanos dominavam a Palestina. Os judeus viviam sob a administração de governadores romanos e, por isso, aspiravam pela chegado do Messias, apontado na Torá como o enviado que os libertaria da dominação romana.Segundo a Bíblia, até os 30 anos Jesus viveu anônimo em Nazaré, cidade situada no norte do atual Israel. Aos 33 anos seria crucificado em Jerusalém e ressuscitaria três dias depois. Em pouco tempo reuniu seguidores (os 12 apóstolos) e percorreu a região pregando sua doutrina e fazendo milagres, como ressuscitar pessoas mortas e curar cegos, o que lhe garantiu rápida popularidade.Mas, para as autoridades religiosas judaicas ele era um blasfemo, por não seguir à risca os ensinamentos da Torah. Também não dava mostras de que seria o líder que libertaria a região da dominação romana. Ele apenas pregava paz, amor ao próximo. Para os romanos, era um agitador popular, que não reconhecia a divindade do imperador de Roma.Após ser preso e morto, a tendência era de que seus seguidores se dispersassem e seus ensinamentos fossem esquecidos. Ocorreu o contrário. É justamente nesse fato que se assenta a fé cristã. Como haviam antecipado os profetas no Antigo Testamento, Cristo ressuscitou, apareceu a seus apóstolos que estavam escondidos e ordenou que se espalhassem pelo mundo pregando sua mensagem de amor e paz. Apóstolo quer dizer enviado.O cristianismo firmou-se como uma religião de origem divina. Seu fundador era o próprio filho de Deus, enviado como salvador e construtor da história junto com o homem. Ser cristão, portanto, seria engajar-se na obra redentora de Cristo, tendo como base a fé em seus ensinamentos.Rapidamente, a doutrina cristã se espalhou pela região do Mediterrâneo e chegou ao coração do império romano. São Pedro, um dos 12 apóstolos, se tornou o primeiro bispo de Roma e o primeiro papa. A ele, Jesus teria dito: "Tu és Pedro e sobre esta pedra fundarei a minha Igreja". Igreja significa reunião.A difusão do cristianismo pela Grécia e Ásia Menor foi obra especialmente do apóstolo Paulo, que não era um dos 12 e teria sido chamado para a missão pelo próprio Jesus. As comunidades cristãs se multiplicaram. Surgiram rivalidades. Em Roma, muitos cristãos foram transformados em mártires, comidos por leões em espetáculos no Coliseu, como alvos da ira de imperadores atacados por corrupção e devassidão.Em 313, o imperador Constantino se converteu ao cristianismo e concedeu liberdade de culto, o que facilitou a expansão da doutrina por todo o império. Antes de Constantino, as reuniões ocorriam em subterrâneos, as famosas catacumbas que até hoje podem ser visitadas em Roma.O cristianismo, mesmo firmando-se como de origem divina, é, como qualquer religião, praticado por seres humanos com liberdade de pensamento e diferentes formas de pensar.Assim, à medida que foi ganhando terreno, também enfrentou rachas -sua grande ferida viva do passado e do presente.Desvios de percurso e situações históricas determinaram os rachas que dividiram o cristianismo em várias confissões (as principais são as dos católicos, protestantes e ortodoxos).O primeiro grande racha veio em 1054, quando o patriarca de Constantinopla, Miguel Keroularios, rompeu com o papa, separando do cristianismo controlado por Roma as igrejas orientais, ditas ortodoxas. Bizâncio e depois Constantinopla (a Istambul de hoje, na Turquia), seria até 1453 a capital do império romano do Oriente, ou Império Bizantino.O império romano do Ocidente já havia caído muito tempo antes, em 476, marcando o início da Idade Média. E foi justamente na chamada Idade Média, ainda hoje um dos períodos mais obscuros da história, que o cristianismo enfrentou seus maiores desafios, produzindo acertos e erros.Essa caminhada culminou com o segundo grande racha, a partir de 1517. O teólogo alemão Martinho Lutero, membro da ordem religiosa dos Agostinianos, revoltou-se contra a prática da venda de indulgências e passou a defender a tese de que o homem somente se salva pela fé. Lutero é excomungado e funda a Igreja Luterana. Não reconhece a autoridade papal, nega o culto aos santos e acaba com a confissão obrigatória e o celibato dos padres e religiosos. Mas mantém os sacramentos do batismo e da eucaristia.Mais tarde, a chamada Reforma Protestante deu origem a outras inúmeras igrejas cristãs, cada uma com diferentes interpretações de passagens bíblicas ou de ensinamentos de Cristo.Atualmente, está em curso um movimento de reunificação cristã. Teve início há cerca de 40 anos, a partir do famoso Concílio Vaticano II (1962-1965) promovido pela Igreja Católica. Cresce a percepção de que o cristianismo precisa restabelecer sua unidade.O chamado ecumenismo envolve o diálogo do cristianismo também com as outras grandes religiões, como o islamismo, o judaísmo, o hinduísmo e o budismo.O caminho será longo, mas a hora é a de acabar com fanatismos, que nada têm de religioso e são origem de tantos males.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Judaísmo a Religião de israel


A história do judaísmo começa com Abrahão, por volta do ano 2.100 a.C. Abrahão morava na Mesopotâmia quando recebeu uma mensagem de Deus ordenando-o a abandonar sua terra natal e a seguir para um novo local, onde seria "fundado" o povo de Deus. A esse povo Deus garantiu bençãos, favores e sua predileção. O local escolhido foi a terra de Canaã.Abrahão obedeceu e partiu. Mais tarde, quando morreu, seu poder foi passado ao filho Isaac e deste para Jacob, que por sua vez o dividiu entre seus 12 filhos. Um deles era José, que mais tarde seria vendido como escravo ao faraó, rei do Egito. José era tão sábio e foi tão querido pelo faraó (rei do Egito) que ganhou um cargo e poderes imensos: chegou a ser uma espécie de vice-rei. Imediatamente José tratou de dar a seus irmãos mais terras, para que as cultivassem. Assim os israelitas começaram a prosperar. Esse foi o problema: prosperaram tanto e se tornaram tão ricos e tão numerosos que assustaram o reino egípcio. Resultado: foram subjugados militarmente e submetidos à escravidão. O faraó ainda não estava satisfeito. Pretendia interromper de forma definitiva sua expansão: decidiu que todos os varões que nascessem nas famílias israelitas deveriam ser mortos. E assim foi feito, e de forma cruel. Às meninas, no entanto, era dado o direito à vida. Um desses bebês, cujo destino certo era a morte, foi escondido por seus pais dos soldados egípcios. Os pais conseguiram isso durante três meses. Quando a vida do bebê passou a correr perigo iminente, seus pais o colocaram numa cesta e o soltaram no rio Nilo. Quis o destino que uma das filhas do faraó visse o cestinho boiando nas águas e ouvisse o choro do bebê. Ela tratou de resgatá-lo e o menino ganhou o nome de Moisés, ou Moschê, que pode significar "retirado" ou "nascido das águas". Moisés cresceu e estudou dentro do reino egípcio, sempre muito bem tratado, apesar de sua salvadora saber que era filho de hebreus.Um dia, enquanto ainda vivia no reino, Moisés foi visitar seus "irmãos" hebreus e viu um deles ser ferido com crueldade por um egípcio. Irado, Moisés matou o egípcio e escondeu seu corpo na areia. Mas as notícias correram rapidamente: o faraó soube do crime e decidiu mandar matar Moisés. No entanto, ele conseguiu fugir para a terra de Madiã. Foi ali que ele conheceria sua primeira mulher, filha do sacerdote local, chamada Séfora. Ela lhe deu um filho, que ganhou o nome de Gerson (que significa "hóspede")."Porque sou apenas um hóspede em terra estrangeira", diz Moisés no capítulo 2, versículo 22 do Êxodo. Passaram-se os anos, o faraó que perseguia Moisés morreu, mas os israelitas (ou hebreus) continuavam sob o jugo egípcio. Diz a Bíblia que Moisés se compadeceu do sofrimento de seu povo e clamou a Deus pelos seus irmãos. Deus o ouviu. Deus apareceu para Moisés pela primeira vez numa fogueira de sarça, feita no monte Horeb. E lhe disse: "(...) Eis que os clamores dos israelitas chegaram até mim, e vi a opressão que lhes fazem os egípcios. Vai, te envio ao faraó para tirar do Egito os israelitas, meu povo (Êxo, 3, 9-10)." Apesar de achar que nem o novo faraó nem seus próprios irmãos acreditariam nele, Moisés fez o que Deus mandou. Voltou ao Egito e contatou o faraó. Este parecia inabálavel na decisão de manter os hebreus escravos.O faraó só mudou de idéia depois que viu seu reino ser atingido por dez pragas enviadas diretamente por Deus. Finalmente, ele permitiria a libertação dos israelitas. Na verdade, foi uma expulsão. É aí que começa a primeira grande movimentação de um povo na história. A Bíblia fala em 600 mil vagando pelo deserto durante 40 anos, em direção à terra prometida. Atravessaram o golfo ocidental do Mar Vermelho. Nasce o JudaísmoDurante essas quatro décadas Deus comunicou-se diretamente com Moisés e deu todas as leis a serem seguidas por seu "povo eleito". Os dez mandamentos, o conjunto de leis sociais e penais, as regras dos alimentos, os direitos sobre propriedades... Enfim, tudo foi transmitido por Deus a Moisés, que retransmitia cada palavra ao povo que o seguia. Era o nascimento do Judaísmo. A missão não foi fácil nem para Deus: durante os 40 anos que "acompanhou" os israelitas no deserto, o Todo-Poderoso voltou a constatar os terríveis defeitos da natureza humana. Cansados, sem esperança e desconfiados de Moisés, muitos iriam atacá-lo e criticá-lo. A incredulidade e a desobediência dos israelitas eram tamanhas que, algumas passagens, Deus pondera em destrui-los e a dar a Moisés outro povo (a primeira vez que Deus "lamenta" ter criado a raça humana está em Genesis 6, 6).Mas Moisés não queria outro povo. Clamou novamente a Deus para que perdoasse os erros dos israelitas. Era com eles que queria seguir até a terra prometida. Deus aquiesceu. Moisés levou a cabo sua missão. Subiu as planícies de Moab ao monte Nebo, em frente a Jericó (hoje uma área sob controle palestino) e legou aos seus descendentes o Torah (o Velho Testamento). "Eis a terra que jurei a Abraão, Isaac e a Jacó dar à tua posteridade. Viste-a com os teus olhos, mas não entrarás nela (disse Deus). E Moisés morreu." (Deut, 34, 4-5). "Não se levantou mais em Israel profeta comparável a Moisés, com quem o Senhor conversava face a face." (Deut, 34, 10). E os judeus passaram a seguir apenas as leis do Torah. Jesus Cristo não é aceito como filho de Deus, como diz o Novo Testamento, conjunto de livros que é desconsiderado pela religião judaica.

domingo, 10 de julho de 2011

Cinco Pilares do Islã

Fé Islâmica possui cinco pilares, são eles; a Fé, a Oração, Zakat, Jejum, Peregrinação.
 

A FÉ
"Não existe nenhuma divindade além de Deus e Seu mensageiro é Mohammad."
 
Esta declaração de fé é chamada de Chahada,
e em árabe a primeira parte é; LA ILAHA ILAL LAH (Não há outra divindade além de Deus) .
A segunda parte é; MOHAMMAD RAÇULUL-LAH, (Mohammad é o Mensageiro de Deus).

 
"LA ILAHA ILAL LAH , MOHAMMAD RAÇULUL-LAH"
 

A ORAÇÃO
Salat, é o nome das orações obrigatórias que são praticadas cinco vezes ao dia. No Islam não existe padres ou pastores, as orações são dirigidas por uma pessoa que conheça o Alcorão e escolhido pela comunidade.
 
O significado de uma oração cantada cinco vezes por dia;
 
DEUS É MAIOR. DEUS É MAIOR.
DEUS É MAIOR. DEUS É MAIOR.
TESTEMUNHO QUE NÃO HÁ OUTRA DIVINDADE ALÉM DE DEUS.
TESTEMUNHO QUE NÃO HÁ OUTRA DIVINDADE ALÉM DE DEUS.
TESTEMUNHO QUE MOHAMMAD É O MENSAGEIRO DE DEUS.
TESTEMUNHO QUE MOHAMMAD É O MENSAGEIRO DE DEUS.
VINDE PARA A ORAÇÃO.
VINDE PARA A ORAÇÃO.
VINDE PARA A SALVAÇÃO.
VINDE PARA A SALVAÇÃO.
DEUS É MAIOR. DEUS É MAIOR.
NÃO HÁ OUTRA DIVINDADE ALÉM DE DEUS.
 
Homem orando - Salat
Homem orando - Salat
 
As orações são praticadas a alvorada, ao meio dia, no meio da tarde, ao crepúsculo e à noite, determinando assim o ritmo do dia todo.
 
 
ZAKAT
Princípio do Islam que afirma; Todas as coisas pertencem a Deus, e que a riqueza portanto está apenas confiada ao homem. Zakat significa, "purificação", "crescimento"
 
As posses são purificadas com a separação de parte delas para os necessitados. O próprio mulçumano calcula individualmente seu Zakat. Geralmente fica em torno de 1 a 2 por cento do capital . Eles devem também sempre que possível praticar a caridade (Sadaka).
 
O Zakat seria como o dízimo para os Cristãos, só que este tem destino final na comunidade, e não igreja.
 
 
O JEJUM
Todo ano durante o mês do Ramadan, todos os mulçumanos jejuam, desde a alvorada até o pôr-do-sol, abstendo-se de comida, bebidas e relações sexuais. Caso contrario devem alimentar uma pessoas necessitada para cada dia não jejuado.
 
 
PEREGRINAÇÃO
A peregrinação anual a Meca é uma obrigação para aqueles que são física e financeiramente capazes.

Dois milhões de pessoas aproximadamente vão a Meca cada ano, de toda a parte do planeta. Os peregrinos vestem roupas simples, para ficarem iguais perante Deus, independente de classe social e cultura.
 
Peregrinação a Meca

sábado, 9 de julho de 2011

Islamismo Ou religião muçulmana


O islamismo é a religião que mais cresce no mundo: 15% ao ano. São hoje mais de 1,2 bilhão de pessoas (7 milhões só nos EUA). Uma em cada cinco pessoas na Terra é muçulmana, outro nome dado aos seguidores do islamismo.Essa religião nasceu com a revelação do livro sagrado dos muçulmanos, o Alcorão. Foi revelado ao profeta Muhammad por volta de 622 d.C., em Meca (Arábia Saudita). Muhammad (570-632 a.C) recebeu e recitou o Alcorão aos seus companheiros, que o escreveram. A religião mais conhecida era, até então, a dos cristãos (e, em menor número, a judaica). Muhammad recebeu a palavra diretamente de Deus, como Abrahão, Moisés e Jesus. Assim como a Bíblia, o Alcorão também ensina que há apenas um Deus, que existe céu (com anjos) e inferno (com demônios), e que sua lei deve ser seguida à risca. Também é repleto de metáforas, provérbios e sentenças, que podem ser bem ou mal interpretados. Para os seguidores dessa religião, Jesus Cristo foi realmente um profeta enviado por Deus, mas sua missão não teria chegado ao final. Sua palavra não foi compreendida e aceita pelos judeus. Por isso houve a necessidade que viesse um outro profeta, que teria contato direto com o Onipotente. Ele veio completar a mensagem de Jesus, diz a tradição. Esse homem que traria a lei divina foi Muhammad, cujo nome foi traduzido incorretamente para o português como Maomé. A religião de Allah (como Deus é chamado pelos islâmicos) não aceita adoração de imagens e nem música instrumental, apenas percussão. Tampouco permite sexo antes do casamento. Mas, pelas leis religiosas, o homem pode casar com até quatro mulheres. Também como há um aviso divino no último livro da Bíblia, para que nenhuma palavra ou letra seja alterada, retirada ou incluída (no Apocalipse de São João, 22, 18-19), o mesmo acontece com o Alcorão. Como foi ditado por Deus, nenhum ser vivo pode tocar em seu texto original. Todo muçulmano que tiver saúde e dinheiro suficiente deve ir pelo menos uma vez na vida até Meca, na Arábia Saudita, onde está a Mesquita Sagrada. Lá, o fiel deve dar sete voltas em torno da primeira grande edificação sagrada, a Caaba. Há outras atividades e locais que devem ser visitados, como o Monte Arafat e a cidade de Medina _para onde Muhammad migrou quando foi perseguido em Meca. Essa saída de Muhammad de Meca é chamada de hégira ("migração") e marca o início do calendário muçulmano. Marca o momento em que todo um povo pagão passou a seguir os preceitos do islamismo. O ano muçulmano é medido pelas 12 revoluções completas da Lua em torno da Terra. Numa média, seu ano é 11 dias menor que o nosso ano solar. Em 26 de março de 2001, entramos no ano 1422 de seu calendário. Durante o controle de Meca, surgiu com força a idéia e sensação coletiva de que todos os muçulmanos são irmãos e que devem combater todos os homens até que reconheçam que só há um Deus. Cinco pilaresO Islamismo tem cinco fundamentos obrigatórios para quem quer segui-lo à risca:1) Testemunhar que só há um Deus2) Rezar cinco vezes ao dia3) Dar 2,5% de seu lucro líquido para as pessoas mais carentes4) Jejuar no mês de Ramadã5) Peregrinação à MecaEm outra semelhança com o mundo cristão, os muçulmanos também sofreram uma cisão, como a que ocorreu entre católicos e protestantes. No seu caso, a divisão é entre os sunitas e xiitas, que disputam o direito à sucessão de Muhammad. Só que os sunitas representam 90% dos muçulmanos no mundo.Assim como no cisma cristão, um dos motivos da luta entre sunitas e xiitas é saber quem deveria liderar o islamismo depois da morte do profeta, e também quem teria a "propriedade" da interpretação correta da palavra de Deus. Mas, na verdade, a palavra é uma só.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Manguezal (III)

UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DOS MANGUEZAIS

  • Muitas atividades podem ser desenvolvidas no manguezal sem lhe causar prejuízos ou danos, entre elas:
  • Pesca esportiva e de subsistência, evitando a sobrepesca, a pesca de pós - larva, juvenis e de fêmeas ovadas.
  • Cultivo de ostras.
  • Cultivo de plantas ornamentais (orquídeas e bromélias).
  • Criação de abelhas para a produção de mel.
  • Desenvolvimento de atividades turísticas, recreativas, educacionais e pesquisa cientifica.
  • IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREAS DE MANGUEZAL


    Os principais fatores que causam alterações nas propriedades físicas, químicas e biológicas do manguezal são:
  • Aterro e Desmatamento
  • Queimadas
  • Deposição de lixo
  • Lançamento de esgoto
  • Lançamentos de efluentes industriais
  • Dragagens
  • Construções de marinas
  • Pesca predatória
  

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Manguezal (II)

 IMPORTÂNCIA DOS MANGUEZAIS

  • Desempenha importante papel como exportador de matéria orgânica para o estuário, contribuindo para produtividade primária na zona costeira.
  • É no mangue que peixes, moluscos e crustáceos encontram as condições ideais para reprodução, berçário, criadouro e abrigo para várias espécies de fauna aquática e terrestre, de valor ecológico e econômico.
  • Os mangues produzem mais de 95% do alimento que o homem captura do mar.
  • Sua manutenção é vital para a subsistência das comunidades pesqueiras que vivem em seu entorno.
  • A vegetação de mangue serve para fixar as terras, impedindo assim a erosão e ao mesmo tempo estabilizando a costa.
  • As raízes do mangue funcionam como filtros na retenção dos sedimentos.
  • Constitui importante banco genético para a recuperação de áreas degradadas

terça-feira, 5 de julho de 2011

Manguezais



O manguezal é considerado um ecossistema costeiro de transição entre os ambientes terrestre e marinho. Característico de regiões tropicais e subtropicais,está sujeito ao regime das marés, dominado por espécies vegetais típicas, às quais se associam a outros componentes vegetais e animais.
O ecossistema manguezal está associado às margens de baías, enseadas, barras, desembocaduras de rios, lagunas e reentrâncias costeiras, onde haja encontro de águas de rios com a do mar, ou diretamente expostos à linha da costa. A cobertura vegetal, ao contrário do que acontece nas praias arenosas e nas dunas, instala-se em substratos de vasa de formação recente, de pequena declividade, sob a ação diária das marés de água salgada ou, pelo menos, salobra.
A riqueza biológica dos ecossistemas costeiros faz com que essas áreas sejam os grandes "berçários" naturais, tanto para as espécies características desses ambientes, como para peixes e outros animais que migram para as áreas costeiras durante, pelo menos, uma fase do ciclo de sua vida

LOCALIZAÇÃO DOS MANGUEZAIS NO BRASIL
No mundo existem cerca de 162.000 Km2 manguezais.
No Brasil existem cerca de 25.000 Km2 manguezais.
Em Pernambuco existem cerca de 270 Km2 manguezais.
No Brasil, existem cerca de 25.000 quilômetros quadrados de florestas de mangue, que representam mais de 12% dos manguezais do mundo inteiro.
Os manguezais estão distribuídos desde o Amapá até Laguna, em Santa Catarina, no litoral brasileiro.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

De olho nos Temas Atuais

Assuntos que andam pelos jornais devem ser destaque nas provas de Geografia do vestibular da UFRN, UERN, UFPB, UFCG. Os professores de Geografia do CIS, mostram os temas da disciplina que mais provavelmente aparecerão nas provas dessas universidades. Confira:

Globalização As provas normalmente relacionam este tema com assuntos da atualidade. Portanto, é essencial que os estudantes estejam atualizados, principalmente na editoria Mundo dos jornais e sites. Outro aspecto que merece atenção é a necessidade de união entre os países. Lembre dos principais blocos econômicos, como Mercosul e União Europeia, e o interesse de cada união.

Terceira Revolução Industrial A Terceira Revolução Industrial, ou a Revolução Tecnocientífica, começou a partir da segunda metade do século XX. O fato resultou em uma nova fase de processos tecnológicos, que foi a união das descobertas científicas ao processo produtivo.

Potências emergentes A sigla Bric dá nome a um grupo formado por países considerados como potências emergentes nos últimos anos: Brasil, Rússia, Índia e China. Temas relacionados devem aparecer nas provas.

Disparidades socioeconômicas mundiais Saber analisar as desigualdades entre países desenvolvidos e subdesenvolvidos é essencial. Contudo, é essencial que o vestibulando também tenha noção da grande desigualdade dentro dos próprios países desenvolvidos.

Problemas ambientais Atenção para os principais problemas ambientais: crescimento exagerado das cidades, chuvas ácidas, poluições, desmatamento, ilhas de calor e enchentes. Lembrando que todos os problemas ambientais são causados pelo homem.

Fontes energéticas
Abram bem os olhos para o acidente nuclear japonês e aos programas nucleares clandestinos da Koréia do Norte, Iran e Turkya, além é claro das situação de convulsão sócio-político-econômica dos países islâmicos produtores de petróleo.

domingo, 3 de julho de 2011

UFRN publica edital do Vestibular; Direito terá 200 vagas e Medicina 100


Da redação do DIARIODENATAL.COM.BR

A Comissão Permanente de Vestibular da UFRN (Comperve) publicou nesta sexta-feira o edital do Vestibular 2012. O processo seletivo oferecerá 6.209 vagas no Vestibular 2012, As inscrições serão realizadas no período de 25 de julho a 28 de agosto de 2011.
Alguns cursos tradicionais tiveram acréscimos de vagas, como Direito que passou de 180 para 200 vagas; Administração também terá 200 vagas neste vestibular assim como Turismo. Já Medicina permaneceu com 100 vagas a serem disputadas.
A inscrição será feita exclusivamente via Internet, através do site da Comissão Permanente do Vestibular – www.comperve.ufrn.br –, mediante preenchimento do Formulário de Inscrição e envio desse formulário, eletronicamente, com uma foto recente para documento, tamanho 3x4, em arquivo digital formato jpeg. Em seguida, o candidato deve imprimir o Guia de Recolhimento da União para efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 110, em local indicado na GRU.
O candidato poderá optar por dois cursos (1ª e 2ª opções) de uma mesma área, nos campi de Natal, Santa cruz (Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi), Caicó e Currais Novos (Centro Regional de Ensino Superior do Seridó), exceção quando a área escolhida pelo candidato não oferecer essa possibilidade.
As provas serão realizadas nos dias 27, 28 e 29 de novembro de 2011, nos diversos campi da UFRN. No primeiro dia, as provas serão objetivas comuns a todas as áreas (Física, Química, Matemática e Língua Estrangeira); no segundo, são as provas de redação e objetivas, também comuns (Português e Literatura Brasileira, História e Geografia); e no terceiro dia, são as questões discursivas, de acordo com a área do curso escolhida pelo candidato.

Professor Agenor Pichinni

O Blog do Professor João Bosco convida a comunidade estudantil de Natal e Rio Grande do Norte, bem como os colegas professores a prestigiar e participar do lançamento do livro do Amigo, Colega, Irmão e Companheiro de trabalho o Professor Agenor Pichinni sobre Geografia do Rio Grande do Norte, que vem preencher uma lacuna existente no ensino de segundo grau do estado potiguar no citado assunto, que será lançado as 19 horas do dia 07 de Julho, na livraria Siciliano do Midway Mall.
Desde já desejamos ao AMIGO, "lembrando que amigos nós podemos escolher", muito e sucesso e os mais respeitosos parabéns pelo trabalho.

VALEU MEU IRMÃO!! PÔ CARA! É NÓIS BICHO! !!!

O CIRURGIÃO E O MECÂNICO

Em uma oficina tradicional no bairro da Aldeota em Fortaleza-CE, um mecânico está desmontando o cabeçote de um motor quando vê na oficina um cirurgião cardiologista muito conhecido. Ele está olhando o mecânico trabalhar. O mecânico pára e pergunta:
– Hei, doutor, posso fazer uma pergunta pro senhor?
O cirurgião um tanto surpreso concorda e vai até ao veículo no qual o mecânico está trabalhando. O mecânico se levanta e começa:
– Doutor, olhe este motor. Eu abro seu coração, tiro válvulas, conserto-as, ponho-as de volta e fecho novamente e, quando eu termino, ele volta a trabalhar como se fosse novo. Por que é, então, que eu ganho tão pouco e o senhor ganha tanto se o nosso trabalho é praticamente o mesmo?
O cirurgião dá um sorriso, se inclina e fala baixinho ao mecânico.
- Tente fazer isso com o motor funcionando! . .

sábado, 2 de julho de 2011

Sete maravilhas do mundo moderno


Sete maravilhas do mundo moderno 
As mais notáveis construções do mundo moderno foram totalmente elevadas a títulos de maravilhas do mundo e ganharam o importante papel de representar o nosso planeta, em suas belas formas modernas e ao mesmo tempo antigas.

Até o que sabemos é que as sete maravilhas do mundo moderno surgiram não para acabar com as sete maravilhas do mundo antigo, mas sim para as futuras gerações saberem que elas existem, já que das 7 maravilhas do mundo antigo, só as Pirâmides de Gisé prevalecem.
Em ordem segue a lista das novas sete maravilhas do mundo moderno:
Muralha da China – China
Taj Mahal – Índia
Cristo redentor – Brasil
Petra – Jordãnia
Machu pichu – peru
Chichen Itza – México
Coliseu – Itália

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Desertificação na Região do Pampa


Área atingida pelo processo de desertificação
Um grande problema tem assolado o sudoeste do Rio Grande do Sul, o processo de arenização dos solos, conhecido também como desertificação. Esse processo é provocado, principalmente, pela atividade agropecuária extensiva que é exercida ao longo de décadas na região.

Como a composição vegetativa do local é a pradarias e/ou pampas e o solo possui características arenosas, esse se torna fácil de ser fragmentado. Isso ocorre após a retirada da cobertura vegetal original para substituir por outras espécies, com fins comerciais, geralmente monoculturas (cultivo de uma única cultura em grandes extensões de terra), ou mesmo para o plantio de pastagens para a produção pastoril.

A partir desses agravantes o solo é disseminado por meio das ações erosivas eólicas (vento) e das chuvas (pluvial). Como chove praticamente o ano todo no local, as enxurradas aceleram o processo gerando imensas erosões, denominadas de voçorocas, e o vento se encarrega de dispersar a areia formando dunas e expandindo a desertificação, nos dias atuais as manchas já atingem, aproximadamente, quatro mil hectares.

Esse fenômeno provocado pela ação antrópica ocasiona uma mudança da paisagem e dificulta o desenvolvimento das práticas agrícolas, além disso, compromete o ecossistema das áreas atingidas.

ELEMENTOS DO MAPA



A Cartografia acentua seu significado geopolítico, pois ela sempre representou uma das formas utilizadas para construir, reconhecer, conquistar e estabelecer o poder sobre o território.


TITULO: O título de um mapa é o seu “portal de entrada”. Ele deve expressar, com clareza e objetividade, qual o tema que está sendo representado.Por exemplo: o uso da terra, a distribuição dapopulação, as formas do relevo, a distribuição das temperaturas. O título deve informar também o recorte espacial: o lugar, o município, o estado, a região ou país que está sendo retratado no mapa. Além disso, dependendo do tema, é importante que o título traga também o recorte temporal, como é ocaso de temas ligados às atividades humanas, como o uso da terra, a estrutura fundiária, as redes urbanas de infraestrutura, entre outros, que apresentam uma dinâmica de mudanças que pode ser relativamente rápida e, portanto, os mapas que os retratam precisam enfatizar sua temporalidade, para não induzirem o leitor a análises anacrônicas e equivocadas.


LEGENDA: A legenda apresenta a codificação expressa no mapa, indicando os signos que compõe a imagem e a relação entre os diferentes significantes (cores, formas, texturas etc.) e seus respectivos significados (o que eles representam). Nela há a união dos sistemas de comunicação visual e sonoro.

ESCALA: A escala cartográfica corresponde à relação entre as medidas lineares em um mapa e suas correspondentes verdadeiras na superfície real. É geralmente apresentada como uma fração, já que se trata de uma correspondência matemática, como por exemplo: 1/10.000, que indica que 1 unidade no mapa corresponde a 10.000 unidades no terreno. Ou então, que a medida verdadeira foi reduzida 10.000 vezes no mapa.

LINHAS IMAGINARIAS: As coordenadas geográficas são linhas imaginárias, medidas em graus, minutos e segundos, através delas podemos definir a posição de um ponto na superfície da Terra. As latitudes, ou paralelos, são as linhas paralelas ao Equador, que é o ponto de origem ou 0°; são . As longitudes, ou meridianos, são as linhas paralelas ao meridiano de Greenwich, que é o ponto de origem ou 0°.

DIVISAO EM GRAUS (Azimute): A direção em um mapa é usualmente indicada em graus. A divisão em graus segue a convenção matemática aprendida na escola, ou seja, uma circunferência que varia de 0º a 360º. O 0º, que coincide com o 360º, sempre se encontra na parte superior da circunferência (norte). Os valores aumentam no sentido horário. Na direção leste encontramos o 90º, na direção sul encontramos o 180º e na direção oeste encontramos o 270º. Serve para mostrar a direção ou rumo em que se encontra a Posiçao geografica do astro.

AZIMUTE: O Azimute é a direção horizontal, no sentido horário, em relação ao Norte, para uma estrela ou algum ponto terrestre. O nome é de origem árabe, de as-sumut, traduzido: caminho ou direção. Esquematicamente, o azimute pode ser descrito conforme a imagem seguinte ilustra: Azimute: é o posicionamento em relação ao Norte (esquerda/direita). Ex.: um azimute de 10 graus significa 10 graus à direita do Norte, um azimute de 350 graus significa 10 graus à esquerda do Norte (360° - 350° = 10º); No primeiro Quadrante, Azimute e Rumo têm o mesmo valor.

CORES: Cores nos Mapas
As cores nos mapas visam facilitar sua leitura, tornando-a mais intuitiva.
Branco - mostra áreas sem floresta
Verde - indica mata densa
Azul - simboliza qualquer área coberta por água, como lagos, rios, açudes e represas.
Vermelho -é usado para indicar as marcas mais proeminentes feitas pelo homem, como rodovias.
Marrom- marca curvas de nível
Preto - indica características causadas pelo homem, como trilhas,